motor da mudança

“Onde nada muda, nada muda” – diz a sabedoria popular

Nenhum sofrimento pode ser tão cruel, do que o não confiarmos em nós mesmos, nem no processo e fluxo da vida (ANSIEDADE).

Vivemos num mundo maravilhoso e todos os dias chegam pelos vários meios de comunicação soluções para os mais variados problemas. Mas…, com a instalar da pandemia, começa-se a despertar para o facto de que tanto o sistema como as instituições detentoras do poder, não oferecem soluções para a crise que a sociedade moderna enfrenta. Parece que, se torna urgente rever as prioridades, e possivelmente mudar de eixo.

Cada vez mais a humanidade desperta para o facto, que remediar, já não é mais solução. “É urgente mudar”, dizem eles. Como e onde mudar? Em primeiro lugar, é preciso recuperar a individualidade (sair da massa). Só livres, temos acesso ao poder e sabedoria, para assumirmos a responsabilidade pela nossa vida. De outra forma, somos como pedaços de cortiça, a flutuar na água, ao sabor dos sentimentos e emoções.

Como mudar e o que mudar? Aqui reside o cerne da questão. Não existem duas pessoas iguais, e o conceito de normalidade (normativo), não pode ser aplicado ao ser humano. Formatar um ser humano, como se de um parafuso se tratasse, foi o maior erro, da sociedade moderna. Apesar da necessidade urgente de uma mudança de paradigma, que liberte a humanidade da formatação normativa, a mudança da humanidade será sempre, através do individual e nunca pelo social, como foi feito no último século, com resultados catastróficos.

A mudança é individual e começa dentro de cada um de nós. Nada vem de fora…, um pobre jamais será rico só porque lhe saiu o Euromilhões. Um pobre que lhe saiu o Euromilhões, torna-se num pobre com muito dinheiro. O pobre só será rico, quando mudar interior/mente. Assim como um doente oncológico ou cardíaco, não deixa de ser doente só porque se submeteu a uma cirurgia. Da mesma forma, a alegria de viver, a felicidade, a realização pessoal, a paz e a serenidade, se consegue com a conquista de algo. Assim como sabemos que um analgésico, não cura a causa da dor ou um ansiolítico, resolve o problema da ansiedade.

Apesar de tanto o analgésico assim como o ansiolítico se devam usar em SOS, sabemos, que só removendo a causa, mudando interior/mente, teremos uma nova realidade exterior.

Como, e quando se deve mudar? Mudar é reciclar, é transformar o inútil em útil. Os ventos estão favoráveis à mudança, porque uma onda de amor “mudança”, está a varrer a face da terra, e no meio destas mudanças profundas começam a surgir vocações até aqui escondidas em milhões de homens e mulheres aumentando o desejo da transformação pessoal.

O mundo vive o grande momento de viragem, e a maior procura de transformação pessoal, vem através do sofrimento da ansiedade. Nenhum sofrimento pode ser tão cruel, do que, o não confiarmos em nós mesmos, nem no processo e fluxo da vida.

Para ser possível avaliar a gravidade da situação vou mostrar aqui “a solução ideal”.

Acompanha-me! Como é que, alguém que vive imerso no terror (sofrimento/ansiedade), pode mudar para viver sereno seguro e confiante? Há sempre uma solução perfeita para cada caso. O primeiro passo é o individuo em sofrimento ter o desejo de mudar. Mas por si só o desejo não é suficiente se não tiver uma ajuda consciente e responsável (aqui a filosofia do pronto a vestir, não funciona…, seria o mesmo de que tentar apagar o fogo com gasolina). Para os casos mais graves, é exigido, uma escola com uma equipa experiente e multidisciplinar. Em alguns casos, o sucesso só é possível através de um programa de reciclagem e transformação 100% flexível (em ambiente protegido).

É verdade que esta solução é fictícia, para mais de 99% dos que sofrem de ansiedade, o seu custo é tal, que possivelmente, nem 1% dos ansiosos tem condição financeira, para se submeter a um programa personalizado de reciclagem e transformação pessoal. Mas…, mesmo que exista a possibilidade financeira, a oferta especifica no mundo, é tão limitada, por falta de verdadeiras escolas de reciclagem e transformação que nem 1% dos que têm possibilidade financeira, teriam acesso, ou corriam o risco de morrer na lista de espera.

 Então qual é a solução para os milhões de ansiosos no mundo? Apesar de ser verdade que há milhões de ansiosos em sofrimento atroz, no mundo, nem todos querem verdadeiramente mudar.

    Faz-me lembrar mais uma vez,  o conto do enorme Cão pastor Alentejano, que agonizava de dor. O pobre do cão, gania…, gania…, sem parar de forma agonizante…, perante o visível sofrimento do enorme cão, um forasteiro indignado que passa pelo local confronta o dono que repousa tranquilamente na espreguiçadeira. – “o senhor não vê o seu cão em sofrimento”? “Como pode ser tão cruel”?  O dono levanta a cabeça e responde…, “não se preocupe”…, “o meu cão deitou-se em cima de um prego que lhe está a rasgar a pele…, mas enquanto a preguiça para mudar de sitio for maior que a dor ele não muda”. Infelizmente há muita gente em grande sofrimento, mas ainda não surgiu o desejo de mudar…,

Para todos que estão em sofrimento e estão dispostos a mudar, há oferta acessível a todos. Basta querer verdadeiramente e procurar uma solução…, que a vida, vai providenciar a melhor solução para cada caso.

Qualquer dúvida, não hesites.

Incondicionalmente disponível,

António Fernandes

Ao subscrever para receber as novidades de António Fernandes, concorda que os seus dados sejam processados conforme indicado na Política de Privacidade e toma conhecimento que pode revogar o seu acesso a qualquer momento.

Pin It on Pinterest