Uma nova visão de mundo III

Uma nova visão de mundo III

mundo

«Pela fé compreendemos que o Universo foi criado por intermédio da Palavra de Deus e que aquilo que pode ser visto foi produzido a partir daquilo que não se vê».

da Bíblia em Hebreus 11:3

Em continuação da série de artigos “Uma Nova Visão de Mundo” mais uma vez falaremos da mecânica quântica. Opto pela mecânica da física moderna, a ciência mãe das tecnologias que governam o mundo, porque não sou um iluminado mas um simples espectador da realidade, que as minhas curtas vistas conseguem enxergar. Protejo-me assim de alguma forma de controvérsias inúteis que em nada dignificam a inteligência humana. Vejamos; há poucos dias Elon Musk, o visionário filantropo sul-africano-canadense-americano fundador da Tesla, disse em entrevista que o seu receio é a inteligência artificial. E essa análise feita por um visionário fez-me repensar algumas das questões absurdas com que me venho confrontando nos últimos 20 anos. Então vejamos, numa época em que inteligência artificial faz parte do quotidiano de todos; numa altura em que foi dada pela Arábia Saudita a cidadania à Sophia “robô humanóide”, capaz de aprender e trabalhar com humanos, adaptando-se ao seu comportamento e hábitos, continua-se a resistir à mudança de paradigma, agarrados como por hipnose psicótica à ilusão da aparência. Mesmo após campanhas e alertas catastróficos da O.M.S. não para de crescer a velocidade estonteante a ansiedade, depressão, síndrome de pânico, doenças psicossomáticas, guerras.

Não vou falar agora do porquê dessa conduta autodestrutiva do homem moderno que cria as suas próprias fontes de dor, porque para isso teríamos de entrar em dogmas religiosos, científicos e filosóficos.

A nova visão de mundo não é uma simples opção que se pode querer ou não, é uma decisão entre vida ou morte; paraíso ou inferno; saúde ou doença; reação ou pro-ação. É imprescindível para todos aqueles que estão cansados do vazio existencial e do sentimento de inutilidade. Com a mecânica quântica enxerga-se com clareza como viver em harmonia com a vida e com Deus, mudando de uma conduta reativa para uma conduta proativa. É para quem precisa de resultados, não para quem ainda quer filosofar em vez de ser. Porque não basta saber que a vida é uma passagem de curta duração entre o nascimento e a morte e que cada minuto não usado para a autorrealização jamais poderá ser recuperado. Não basta reconhecer que usamos o pouco tempo que nos resta em controvérsias que não acrescentam nada, nem trazem felicidade a alguém. Não basta saber que vivemos apegados ao efémero e partimos desta realidade e deixamos cá tudo pelo qual lutamos. Tudo isso foi proclamado pelo Nazareno, mas ao fim de 2000 anos continua-se na mesma. É preciso Ser.

Voltemos à nova visão de mundo e o que a ciência moderna nos diz do universo e do mundo. Vimos nos artigos anteriores que tudo que existe no universo visível e invisível é energia (há quem lhe chame Deus, Ki Shi, Prana, etc…). Todas as coisas possuem a natureza da criação que reside latente dentro de si mesmas; vimos também que tudo faz parte de tudo. Temos tudo dentro de nós. Vimos também que nada acontece por acaso tudo tem um propósito universal. Vimos que tudo está interligado, não podemos magoar ou roubar a não ser a nós mesmos. Em vez de filosofarmos em relação à situação mundial, a física moderna diz-nos que precisamos de nos transformar a nós mesmos, mudar o nosso comportamento e alcançar a verdadeira felicidade e plenitude em nossas vidas, para executar a missão pela qual decidimos nascer.

A Cabbala com cinco mil anos diz “aquilo que os nossos olhos testemunham no mundo exterior todo o mal, toda a perversão, não passa de uma imagem no espelho refletindo os resquícios de mal que jazem ocultos e não detetados nos nossos corações”.

Não vou continuar a lembrar o já escrito e vamos saber como numa nova visão de mundo, uma visão espiritualista guiada pela mecânica da “moderna” física quântica transformamos o que o materialista chama crise numa bênção.

Vamos com calma, que uma mente empoeirada pela complicada ilusão materialista tem dificuldades em lidar com a simples prática da mecânica quântica aplicada no quotidiano. Hoje a inteligência artificial ou tecnologia de ponta resulta da ciência das possibilidades (física quântica). Todos estamos familiarizados com as constantes atualizações dos computadores telemóveis etc., mas ficamos agarrados a conceitos que já foram úteis, mas que hoje certamente não o são.

Então vamos lá…, um observador com mente materialista cega pela ilusão da matéria, reage à aparência do acontecimento ou coisa, criando uma crise. O observador de mente embebida na nova visão de mundo perante um acontecimento não esperado ou coisa aparentemente prejudicial, não reage à aparência porque sabe que tudo é energia e a ocorrência tem um propósito amplo dentro de infinitas possibilidades. Aqui o observador de mente aberta e vistas limpas decide que seja feita a vontade do todo (consciente de certeza e autoconfiança que a vontade do todo não lhe dá o que pensava receber mas muito mais do que poderia imaginar). Aquilo que uma mente materialista chama crise, um espiritualista chama bênção. Aqui estão usadas as duas primeiras leis da mecânica do universo, que dão origem ao famoso entrelaçamento de onda, manifestando-se na terceira lei da mecânica quântica: o observador atrai na mesma frequência e densidade que irradia.

Resumindo: A mecânica quântica ao ser aplicada no quotidiano pelo ser humano,mudará o mundo e a humanidade. Com a nova visão de mundo sabemos que tudo tem um propósito e que os problemas moram dentro de nós. As coisas só têm a energia que o observador (nós) colocamos nelas e exercem em nós a influência que permitimos. Nada acontece por acaso, tudo tem um objetivo mais amplo e profundo.

Como artigo já vai longo, antes que a confusão possa tomar o lugar do pretendido aclarar, despeço-me e termino com uma citação do Hanyashingyo, Sutra do coração e do conhecimento budista, «aquilo que pode ser visto não tem forma e aquilo que não pode ser visto tem forma».

 

Incondicionalmente disponível,

António Teixeira Fernandes

 

Lê os restantes artigos da série aqui: Artigo 1, Artigo 2

Uma nova visão de mundo II

Uma nova visão de mundo II

visão de mundo II

O mundo já mudou, é urgente mudar o paradigma!

Uma nova visão de mundo implica uma nova visão de nós mesmos, uma nova visão dos outros, uma nova visão de Deus e da humanidade. Como prova disso, quero só lembrar e reforçar a parte mais importante do primeiro artigo que mostra que a realidade das diferentes civilizações, refletia a forma como a humanidade se auto enxergava, enxergava o mundo e enxergava Deus ou as divindades. Penso que ficou também esclarecido no artigo anterior que o paradigma atualmente vigente (Newtoniano/cartesiano) responsável pela realidade atual, já destrói mais do que constrói na sociedade atual. As estruturas sociais da educação à saúde, passando pela economia e política estão desfiguradas, instáveis…, em ruína. Aqui não há qualquer tipo de exagero ou partidarismo. Só não vê quem se negar a enxergar. Mas de nada adianta expor a infeliz realidade sem soluções para apresentar. Mas normalmente só nos abrimos ao novo quando o velho já não tem mais conserto.

Mais uma vez vou bater na mesma tecla, enquanto permanecermos sob o efeito do velho paradigma Newtoniano/cartesiano as doenças psicossomáticas não param de crescer a uma velocidade alucinante. Desde a ansiedade, à depressão, passando pela diabetes e outras mais, acabando nas doenças cardiovasculares, tudo é psicossomático; e segundo os dados oficiais (O.M.S.), nunca pararam de crescer, apesar dos investimentos da indústria da doença. Alguns meios de comunicação até já lhes chamam “as doenças do século”. Enfim, se é psicossomático, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) são criadas pela própria pessoa, num processo de somatização, que só possível através de conceitos com que orientam as suas vidas. Por sua vez um conceito, é uma verdade baseada num princípio, verdades aceites por cada um de nós, baseadas no paradigma atual. Este paradigma demorou séculos a substituir o baseado nos movimentos astrais. Não aconteceu de um dia para o outro, como vai também demorar algum tempo o conceito da moderna física quântica (a física das possibilidades) a substituir o velho e já obsoleto conceito newtoniano/cartesiano com que criamos as disparidades do mundo de hoje.

Este artigo é sobre “uma nova visão do mundo” e não vou fugir do essencial.

Mas não consigo continuar sem voltar a repetir-me…, para se ter uma nova visão de mundo precisamos de ter uma nova visão melhorada de nós mesmos que, por conseguinte, vai dar uma nova visão dos outros, para assim termos uma nova visão do universo e do mundo. Mas para isso é preciso perceber não como é que a física moderna funciona, (para isso temos cursos intensivos de expansão da consciência) mas sim o que a física quântica ou física das possibilidades nos mostra de nós e do mundo.

É urgente despertar.

É verdade que oiço muitas vezes da boca de pessoas que lhe foram concedidos “cargos de poder” dizer: “só acredito no que posso ver, tocar e cheirar”. E é um pouco (consciente ou não) essa postura de quem vive na hipnose dos sentidos. O efeito hipnótico é de tal forma poderoso que apesar de se estar no limiar da 5G de telemóveis e de 99% de tudo que utilizamos no quotidiano depender da moderna física quântica, continua-se a negar como na “idade da pedra lascada” o que o que não conhecemos. Uma nova visão de mundo implica uma nova visão de nós mesmos. E precisamos começar por aí. Por nós… comecemos pelo corpo que cada um de nós habita.

Então vamos lá com calma.

A física quântica é a ciência das possibilidades. E vamos com a ajuda dela ter uma nova visão de nós mesmos. Apregoa-se aos quatro ventos, e com verdade, que com o simples conhecimento das leis da mecânica quântica, podemos conscientemente criar a realidade que se deseja. Mas de nada vale o conhecimento das leis bases da mecânica quântica se não tivermos uma visão mais clara de nós mesmos e do corpo que habitamos e como nos inserimos conscientemente no universo.

Continuando…, começamos por uma “nova noção” de corpo físico para iniciarmos o processo de mudança de paradigma. Basta de ansiedade! Chega de frustração, depressão e sofrimento. Já todos aprendemos na escola que tudo é feito de energia (átomo), tudo é energia, uma mesa, uma cadeira, um calhau ou árvore; tudo é átomo, tudo é energia…, e o corpo que cada um de nós habita, apesar da ilusão da aparência física, também o é.

Peço-te agora só um pouco de paciência…,

É verdade que poderia só mostrar uma nova visão quântica (espiritual) de mundo, mas para quem está sobre o efeito hipnótico da matéria, cria ansiedade, depressão, stress, enfim sofrimento… precisa de ir além da ilusão dos sentidos. Então o melhor é começarmos por nós mesmos. Pelo nosso corpo. O nosso corpo que parece uma estrutura sólida, também é uma ilusão dos sentidos. Vejamos…, a estrutura física que cada um de nós habita está organizada por sistemas: sistema cardiovascular, sistema digestivo, sistema nervoso, sistema respiratório etc…. Os sistemas são feitos de órgãos: coração, pulmões, estomago, cérebro, por aí a diante. Os órgãos são feitos de tecidos, os tecidos são feitos de células, as células são feitas por moléculas, as moléculas são feitas de átomos e os átomos por partículas subatómicas, tais como o quantum que deu o nome a física quântica, mesões, protões, eletrões, etc… Enfim o que os cientistas chamam de energia. Ao fim das contas somos 99,99999 vibração. Claro que isto não tem nada de novo. De novo só os termos e a explicação da ciência. Com esta pequena demostração podemos subir para uma visão mais ampla do que aquela que nos é fornecida pela física clássica. Da mesma forma que o corpo físico que habitamos é essencialmente energia, também todas as formas físicas da matéria o são. Quando julgamos identificar um pedaço de madeira, betão ou mesmo um seixo, estamos perante a vibração. Se os dividirmos até à sua origem entramos sempre no estranho mundo em que tudo o que existe são ondas e partículas vibrando. Enfim todo o universo é vibração (energia) e cada coisa no universo gera a sua própria frequência vibracional.

Sei por experiência própria que não é fácil para uma mente educada através da ilusão da matéria conceber que tudo que existe visível e invisível no universo é feito de uma mesma energia (ou substância amorfa) e o que vulgarmente chamamos coisas (matéria) são diferentes vibrações de uma mesma matéria. Tudo é vibração, mudança e transformação em simultaneidade. Nada está separado. Tudo é interação, tudo é UM.

Podemos, através da física moderna, concluir que tudo faz parte de tudo.

Somos formados pela mesma substância com que todo o universo é feito e possuímos dentro de nós tudo que existe no universo. Possuímos o todo dentro de nós mesmos. Por outras palavras: somos uma partícula de todo o universo e temos todo o universo dentro de nós. O nosso espírito é eterno e habita num corpo infinito. Com outras palavras tudo que fazemos,  fazemos a nós mesmos. O velho paradigma dualista dá lugar à unicidade do universo que nos indica: se eu não estou separado de nada nem de ninguém, não posso agredir, porque me estarei agredindo; não posso difamar, porque difamarei a mim mesmo; não posso matar, porque estarei matando a mim mesmo e a interferir no projeto divino da criação.

Somos um espírito eterno num corpo infinito, nada acontece por acaso, tudo tem uma finalidade que nos leva para a frente e para cima.

Sei que muitos de nós estão neste momento em sofrimento, incapazes de compreender estas palavras e conceber um sentido mais profundo para o seu sofrimento. Mas despertar a consciência para que tudo na vida tem um propósito mais amplo e profundo que nos leva para frente e para cima, garante uma vida de certeza e autoconfiança no universo e em Deus. Na realidade tudo é perfeito; tudo está no seu devido lugar; tudo é sagrado e em tudo existe uma ordem, mesmo quando aparenta desordem.

O artigo já vai longo, e começa a tornar-se confuso para algumas mentes ainda empedernidas com a ilusão matéria. No próximo artigo, vou resumir os princípios basilares com que podemos nos transformar e transformar o mundo. Este artigo é tirado do Curso intensivo de limpeza e recuperação para adultos, agendados para o próximo janeiro, março e maio de 2019, na casa escola António Shiva.

Por favor esclarece as tuas dúvidas, ajuda-me a melhorar

António Fernandes

O importante é a mensagem não o mensageiro

O importante é a mensagem não o mensageiro

mensagem

O portal para um mundo diferente

Hoje que completo mais um ano de vida, tenho a certeza que muitos daqueles que não me acompanharam nas últimas cinco décadas têm dificuldades em entender o porquê da importância que dou à nova era e à mudança de paradigma. Como os meus últimos artigos têm gerado celeuma e reações hostis de alguns filósofos, eu decidi por bem esclarecer.

Quem lê os meus artigos está acostumado a ler “não acreditem nem rejeitem aquilo que aqui escrevo”…, por isso não tenho a intenção de ensinar nada a alguém. Todos sabemos que uma reação violenta em relação a qualquer coisa é originada no medo. Quero lembrar que não há que ter medo. Sugiro que peçam esclarecimentos perante uma dúvida em vez de uma reação hostil que impede que se faça luz.

Como tudo começou. Já está quase a perfazer duas décadas que tudo começou. Era final de século e início de um novo milénio. Era o início do ano 2000 e coordenava na altura o instituto de gestão de stress, um projeto inovador, ao serviço de uma dezena de psiquiatras e outros agentes ligados a doenças aditivas. Neste espaço residencial, em regime de absoluto anonimato (indispensável ao estigma da doença), eram recebidos homens e mulheres da classe média/alta, essencialmente com problemas de álcool. Era um serviço honesto e responsável, com resultados incríveis.

A grande cambalhota. Ainda no decorrer do ano 2000 é recebido no espaço que coordeno um novo residente do sexo masculino com 36 anos de idade (que vamos dar o nome de João) com um grave problema (cirrose hepática), em estado de degradação avançada. A sua permanência tinha sido requerida, na esperança de o manter vivo até a hora do transplante (fígado). Apesar de jovem e simpático, o mal-estar provocado pela doença e a ascite tornava-o antissocial, agravando ainda mais a nada animadora deterioração física. As semanas passaram e o João, lenta mas progressivamente, começou a integrar-se na casa e no grupo que nela habitava. Começou por participar com a sua presença nas palestras diárias, em que entrava mudo e saía calado e no final da 3ª semana a ascite estava a ceder e o volume dos líquidos abdominais (barriga d’água) tinha reduzido cerca de 50 %. A língua começou a desatar-se e os primeiros sorrisos começaram a esboçar-se e na quinta semana já fazia parte integrante de todos os trabalhos terapêuticos e das tarefas da casa. Na oitava semana o João estava em condições físicas emocionais e mentais para regressar ao seu trabalho. O João não precisou mais de transplante e todos os valores estavam dentro na normalidade. Qual foi o tratamento? Somente as limpezas linfáticas normais e uma mudança de consciência. Nada mais. Na altura não tive consciência da dimensão real e não dei importância ao caso. Ainda no mesmo ano outro caso, uma senhora de 68 anos que vamos dar o nome de Maria, que apesar de um problema de álcool, tinha cancro da mama já com metástase nos ossos e pulmão. O seu estado era muito delicado. O objetivo era conseguir alguma qualidade para o tempo de vida que lhe restava. Da mesma forma como o João, a Maria mudou a forma de ver vida e o mundo e além de não precisar de adicionar o álcool para lidar com os seus sentimentos e emoções, também o cancro e as metástases desapareceram sem explicação. Uma recuperação incrível. Como o João e a Maria outros casos se seguiram de portadores de doenças crónicas como a diabetes e outras (alguns insulinodependentes). Depois de um estudo mais aprofundado percebi que todos os que mudavam a forma de pensar, mudavam a forma de lidar com os sentimentos e as emoções e problemas físicos mais ou menos graves desapareciam definitivamente. Por outras palavras, logo que a pessoa mudava tudo mudava na vida do indivíduo. Eufórico com as conclusões tentei expor o caso junto dos profissionais de saúde que me enviaram os pacientes com casos mais dramáticos, mas o melhor que consegui foi “cala-te bem calado que é melhor para todos”. Achei a posição muito estranha, porque eram vários “profissionais” todos com postura igual…, alguns nunca mais me falam e nenhum dos que viram os seus doentes recuperar para uma vida de qualidade mandou mais doentes para o instituto que coordenava. Parece tudo muito estranho, mas não o é… Tudo é perfeito, não podia ser diferente…, Embora na altura não conseguisse enxergar o grande benefício na “grande frustração”.

Procura e achareis. Apesar de todos os resultados conseguidos não podia quebrar o anonimato dos residentes e mesmo que alguém tivesse disposto a quebrar o anonimato (o caso da Maria), ficaríamos com um caso isolado que nada mostrava. E acima de tudo não tinha a intenção de tentar convencer alguém, mas sim mostrar que o simples largar de um conceito pode fazer milagres de mudar uma realidade. Não desisti de procurar uma explicação, não porque tivesse qualquer dúvida, mas porque não queria embandeirar no folclore New Age da altura, carregado de misticismo…, ou pior ainda, fazerem de mim um Guru. Essa a razão de procurar explicação para todo o processo de recuperação e transformação pessoal à luz da ciência. Inicialmente cruzei-me com John Demartini um disléxico que mostrou a quântica e Amit Goswami que me mostrou o maravilhoso mundo da quântica e como todo este processo de transformação pode ser explicado. É verdade que poderia simplesmente sugerir a leitura do “Universo Autoconsciente de Amit Goswami em vez de escrever artigos, mas arriscava-me a ouvir que a leitura é difícil e confusa, onde a espiritualidade caminha lado a lado com equações complicadas.

Alusões finais

Caros leitores com este texto não tive a intenção de justificar nada, o meu único objetivo é partilhar a minha experiência. E com minha experiência, acender uma luz no fundo do túnel daqueles que estão mergulhados no sofrimento. O meu trabalho destina-se a quem quer resultados, não para quem quer perder o tempo precioso que lhe resta a filosofar.

Continuo incondicionalmente aberto a qualquer pedido de esclarecimento.

António Fernandes  

Princípios universais da vida

Princípios universais da vida

princípios universais da vida

Texto retirado de um programa personalizado quinzenal

Lembras-te quando treinavas para uma melhor qualidade atlética? As dores musculares após o treino não eram sofrimento… eram satisfação pelo objetivo conseguido (treinar). Não tinhas a certeza que chegarias às olimpíadas, mas treinar era o caminho para melhorar a cada dia que passa. Hoje sabemos que somos seres integrais (não podemos separar-nos de uma área da nossa vida. Uma corrente é tão forte quão forte é o seu elo mais fraco. Não importa se tudo está bem, exceto uma área. Basta uma área estar mal para que tudo esteja mal. Mas há mais…,

Vamos lá:

O princípio básico do universo onde todos os princípios da vida assentam é: tudo o que existe é criador (Deus como cada um de nós o concebe). Tudo que existe é Deus! Desde o vírus ou bactéria até ao sol. Nada existe fora do universo ou de Deus. Da partícula subatómica às estrelas TUDO sem exceção é parte integrante do TODO (Deus).

Tudo é perfeito da forma que é apesar de não conseguirmos muitas vezes enxergar a perfeição na nossa realidade.

A vida funciona para connosco como os pais funcionam para uma criança que não sabe o objetivo de vestir, comer, tomar banho, agasalhar-se, tomar remédios etc.. Apesar de não sabermos, nada nos acontece que não tenha um propósito prazeroso.

Nada é fruto do acaso.

Por ainda estarmos inconscientes da perfeição latente no TODO (não temos consciência que o universo na sua expansão constante nos faz crescer continuamente e a resistência a esse crescimento inevitável são as nossas fontes de ansiedade, angústia e sofrimento), leva-nos para o princípio espiritual da vida que diz TUDO (todas as coisas) tem um propósito, um desígnio mais profundo a ser alcançado que nem sempre percebemos na nossa limitada visão (não precisamos perceber, só precisamos SABER). Qualquer sofrimento, qualquer situação difícil, dores, provações, (só o sentimos dessa forma por ignorância, porque toda a força do crescimento é prazerosa) tudo isso tem um sentido mais profundo que ainda somos incapazes de compreender intimamente. Despertar para o facto de que tudo na vida tem como objetivo divino a evolução integral, garante-nos a certeza e autoconfiança nos planos da vida (sem esta compreensão todas as terapêuticas falham).

Esta compreensão leva-nos para o princípio do amor que interliga o Todo. Não estamos separados de nada. O universo num todo é um tecido cósmico, de onde Jesus tirou o “mandamento do amor” que veio reformar o velho mundo: “Amai a Deus sobre todas as coisas (o tecido de onde fazes parte) e ao próximo como te amas” este princípio leva-nos para uma consciência de paz e plenitude, concluindo que:

Se faço parte de tudo e não estou separado de nada, não posso reagir negativamente (agredir) seja o que for…, pois estarei reagindo negativamente  (agredindo a mim mesmo “STRESS”); também não posso tentar ofender alguém, pois estarei tentando ofender a todos; não posso matar seja o que for, pois estarei a matar a mim mesmo e também um plano maior da Criação. Vivemos unidos em infinitas possibilidades de abundância múltipla.

Só com estas premissas poderemos falar do princípio do amor, honestidade, responsabilidade, alegria, fé, abundância, etc….

António Fernandes

Uma nova visão de mundo

Uma nova visão de mundo

visão de mundo

Sei que sou um presunçoso a tentar mostrar-se humilde. Foi o que consegui perceber de mim ao longo das minhas vidas. Enxergar de vez em quando quanto cego eu sou, foi o melhor que consegui. Assim, não acredites numa só palavra que eu aqui escrevo. Mas não deixes de ler, para perceberes do que um pomposo presunçoso é capaz.

Sempre me interessei por história universal. E sempre filosofei sobre a decadência e morte das civilizações Mesopotâmica, Egípcia, Grega e Romana. O que mais me fascinou e fez pensar foi descobrir que a realidade das civilizações sempre dependeu da visão que o ser humano tinha dele em relação ao mundo, ao universo e a Deus.

Desde Babel até ao séc. XVII, altura em que Isaac Newton revolucionou o mundo e a ciência com as novas leis (gravitação universal, a mecânica dos sólidos e dos fluídos, inércia, dinâmica e alquimia), o ser humano julgava ter nascido com uma influência astral. A sua vida dependia dos movimentos astrais, e do temperamento de Deus ou dos deuses mitológicos. Uns julgavam que tinham nascido para predadores, outros para vítimas. Tinham um destino traçado que não poderiam mudar. Com esse conceito de mundo, consultavam os astros para tudo. Para casar, para comprar uma junta de bois ou para invadir a privacidade do vizinho. Teriam também de estar atentos para não desencadear a ira de um Deus tirano, que raramente tirava férias e governava o mundo e o universo com punho firme, como o aço. Com esse conceito as possibilidades de criar a realidade que desejavam era nulas, se não fosse da vontade dos astros e se os deuses não estivessem bem dispostos. Com a chegada de Isaac e a nova visão de mundo e universo, juntamente com o dualismo de René Descartes, a visão de mundo mudou a um ritmo lento e firme, sendo a visão dominante de mundo e universo nos dias de hoje.

Esta visão newtoniana/cartesiana, foi revolucionária na época, alimentando a revolução industrial e o capitalismo Adam Smith e tirando a Europa da época do feudalismo. A melhoria de vida com o desenvolvimento inquestionável em todas as áreas é uma realidade. O ser humano passou a ser livre do senhor feudal, mas tornou-se escravo do medo dele mesmo. Embora tudo isto faça parte de um livro em preparação, este artigo somente tem a pomposa pretensão de mostrar uma nova visão de mundo, segundo a visão da moderna física quântica.

Mas antes de irmos à nova visão de mundo (que nova pouco tem a não ser os termos), precisamos perceber qual a razão da urgência em ampliar a consciência para esse “novo” conceito.

A urgência para mudar de paradigma deve-se à profunda hipnose psicótica em que a humanidade está mergulhada. Apesar de todos os dias desabrocharem novas associações de defesa de animais e plantas e novas formas de luta contra doenças que afligem a humanidade, não se consegue tapar o sol com a peneira. O ser humano perdeu a individualidade, submeteu-se a um conceito normativo, acabando como parte de uma massa fácil de mover e modelar. Todas as doenças crescem a uma velocidade vertiginosa, apesar do milhões de dólares, euros e libras gastos diariamente… A cada três minutos uma mulher recebe um diagnóstico de cancro de mama… Porquê? Porque é que apesar das grandes campanhas contra o fumo a cada dia que passa 4.000 adolescentes começam a fumar no mundo? Porque é que apesar de se queimarem milhões de toneladas de trigo, e se pagar a agricultores para não cultivarem nos próximos 60 minutos 1.800 crianças morrerão de desnutrição e fome? Não falemos de um terço da população mundial contaminada pela tuberculose, nem dos distúrbios alimentares em 25% das mulheres, da síndrome de pânico, dos transtornos obsessivo compulsivo etc. etc. etc. O paradigma newtoniano/cartesiano cega-nos para a realidade, vivemos em estado de hipnose psicótica coletiva.

Será este estado de coisas “normal”?

Só precisamos aceitar que o paradigma newtoniano/cartesiano foi libertador, mas hoje está obsoleto.  Tudo no universo funciona assim…, nasce, cresce desenvolve-se e transforma-se. Se a humanidade já não usa no seu quotidiano, apetrechos construídos segundo as leis da física clássica, salvo raríssimas peças de coleção, a mecânica clássica já só é encontrada em museu. Da mesma forma que a mecânica clássica já não funciona nos utensílios de hoje, também não funciona como estrutura/padrão de princípios tão importantes como o amor, responsabilidade, humildade, honestidade, etc. etc.

Resumindo: a física clássica, com a sua estrutura rígida tridimensional, mantém o ser humano afastado da sua verdadeira identidade divina, excluído do universo e de Deus. Se antes da física clássica era uma marionete sujeita ao movimento astral ou dos astrólogos que os interpretavam…, depois como donos (conhecedores das leis universais) licenciaram-se legalmente na manipulação do próximo e o mundo com essas leis (chamam-lhe Marketing). Apesar dos grandes melhoramentos materiais que trouxeram o conforto e a possibilidade de viajar e admirar as belezas da criação, o homem continua vazio e excluído do mundo e do universo. Tanto manipulando como manipulado, na sua pequenez existencial é incapaz de atingir a santidade, admirando a obra da criação.

Ao não se contentar com a posição de filho rejeitado e muito menos com a angústia do vazio existencial, o homem na sua infinita procura sondou no lugar onde nunca antes tinha procurado. Dentro da matéria (aparência física) onde encontra o novo. O fascinante mundo atómico, pondo em causa a mecânica de Isaac Newton. Dentro dos microcosmos as leis da física clássica não têm utilidade. Tudo é movimento, fluxo e interação…, uma dança infinita onde tudo se encadeia.

Como é que essa descoberta pode salvar a humanidade do vazio existencial?

Essas descobertas revelam-nos os princípios espirituais do universo onde a criação (Deus) é reconhecida em tudo. Tudo o que existe é energia (Deus), está dentro da energia, enfim…, tudo é criação (ou Deus como cada um o concebe). Todas as coisas possuem uma natureza divina que reside latente dentro de si mesmas. Do ser mais pequeno ao maior, do átomo ao sol, da molécula a qualquer ser visível ou invisível, tudo que acontece no universo faz parte da perfeição divina. É urgente escolhermos se queremos continuar com a consciência clássica (relíquia de museu), submersos no vazio angustiante do sofrimento ou sair e assumir a divindade que carregamos no mais profundo de nós mesmos. Mas não importa se que aqueles que leem este texto façam de conta que isto não é para eles. A essência divina existe, está lá…, esperando a hora de se manifestar em toda a sua pureza e grandeza. Saber que a perfeição reside oculta em nosso ser é uma certeza que devemos ter sempre presente.

A partir desta premissa poderemos desenvolver uma nova visão de mundo, o texto já vai longo. Vou deixar para amanhã os novos princípios espirituais da mecânica quântica. Repito, que de novo pouco têm…

Incondicionalmente disponível fico a aguardar pelas dúvidas,

António Fernandes

Pin It on Pinterest