Warning: Declaration of ET_Theme_Builder_Woocommerce_Product_Variable_Placeholder::get_available_variations() should be compatible with WC_Product_Variable::get_available_variations($return = 'array') in /home/metamor/antoniofernandes.solucaoperfeita.com/wp-content/themes/Divi/includes/builder/frontend-builder/theme-builder/WoocommerceProductVariablePlaceholder.php on line 8
António, Autor em António Fernandes
A realização pessoal faz parte da Saúde Integral – Parte 2

A realização pessoal faz parte da Saúde Integral – Parte 2

realização pessoal

“Procurai e achareis”! “Pedi e recebereis”! “Batei e abrir-se-á”!
A lei da riqueza proclamada por Jesus

Porque é que eu faço tudo como ensinado pelo mestre e não me sinto feliz e realizado?

No artigo anterior foi considerado o facto de os resultados de uma ação dependerem mais da intenção que move a ação do que da ação propriamente dita. Ou seja, uma mesma ação pode ser empregue com motivos diferentes. E, ao contrário do que pode parecer, isso afeta totalmente os resultados. Por exemplo, em todas as cidades, existem pessoas com as mesmas profissões ou com comércios do mesmo ramo, em que uns enriquecem e outros empobrecem. E na realidade fazem as coisas da mesma maneira, apesar de se justificar a localização, que certamente tem importância, já vi estabelecimentos e escritórios “mal localizados”, terem sucesso enquanto outros, localizados em zonas nobres, são como os buracos negros do espaço. Esta constatação encontra-se em todas as áreas da vida e em todas as realidades paralelas.

Por exemplo, há clientes que me procuram, para dar um novo sentido à sua vida, numa fase de perda de controle (caos)… e uns transformam o caos numa bênção em 3 semanas, e outros esforçam-se durante meses ou anos, e mal conseguem manter as suas vidas à deriva. Qual é a razão de isso acontecer? 

“Vamos com calma com andor que o santo é de barro”.

O que aqui vou publicar não é uma teoria para ser experimentada, é a experiência de quase cinquenta anos, na busca de um sentido para a vida. Então vem comigo, não tentes perceber… procura simplesmente aceitar, sem negar, nem acreditar. 

“Tudo é feito da mesma matéria, só a consciência faz a diferença”, diz Buda, Shiva, Jesus, Lao Lao Tsé, e tantos outros iluminados que visitaram este planeta. E hoje a física moderna, confirma esses ensinamentos com “tudo é átomo”. Mas… vamos deixar as explicações de como criamos a nossa realidade, tendo consciência disso ou não, e vamos a exemplos práticos. 

Vejamos; desde que foi declarada a pandemia e se entrou em confinamento, muitas verdades emergiram, das trevas da ilusão, fazendo ruir a estrutura de muitos sonhos profissionais. O teletrabalho rapidamente se tornou uma necessidade. 

O “marketing” digital, que já estava em grande crescimento, disparou para um crescimento inimaginável. Até aqui tudo em paz. Usar novas formas de nos comunicarmos com os clientes e divulgar o nosso trabalho. Este foi o passo certo. Mas apesar do passo dado por a esmagadora maioria ser certo, os resultados podem ser opostos.  

Aqueles que investiram no “Marketing” digital, motivados pelo medo de perder clientes (se o não fizessem), ou pela inveja de seus vizinhos ou concorrentes, os resultados serão o fracasso. Mas se, usar os suportes digitais, sem competitividade, mas simplesmente para divulgar o seu produto ou dar a conhecer o seu trabalho, motivado pelo servir o cliente (da mesma forma que gostaria de ser servido), em vez de o iludir com “maquilhagens legais (marketing)”, o sucesso está garantido, porque para dar a conhecer os serviços ou produtos com honestidade é preciso coragem e humildade, os ingredientes indispensáveis à autoconfiança, realização/sucesso. 

Assim sendo, para sabermos os resultados que vamos conseguir (sucesso ou fracasso), precisamos analisar a nossa motivação inicial, seja para que empreendimento for. Infelizmente hoje, existem muitas escolas de estratégicas e táticas digitais, também conhecidas por “Marketing digital”, que ensinam a iludir e a levar o outro a fazer aquilo que nós queremos. Escusado será dizer, que, apesar dos resultados iniciais poderem parecer magníficos, os efeitos colaterais são desastrosos. Porque levar alguém a fazer aquilo que nos queremos é uma forma de escravizar. E escravizar um semelhante é algo que se paga muito caro. 

Se quer ter sucesso que traga realização plena, não te iludas com o marketing digital ou outras formas de escravizar. Não é por acaso que, pessoas que aparentemente as suas vidas são um acumular de sucessos acabem com vidas destroçadas ou em sofrimento. Na verdade, o brilho do sucesso conseguido através do Marketing competitivo, não é mais do que a chama do pavio de uma vela de dinamite a arder. O sucesso mais ou menos longo, depende do tamanho do pavio, que vai fazer explodir a dinamite.  

Então como fazer, para que o sucesso não tenha efeitos colaterais desastrosos? 

1.º – Observemo-nos 

Nunca fazer ao outro aquilo que não quer que lhe seja feito. Não basta ter um bom produto ou serviço, é preciso que o produto ou serviço seja para verdadeiro sucesso e realização do cliente. Em suma não existe o outro, somos todos um. 

2.º – Observemos o que temos para oferecer e o que procuramos alcançar.

Muitos dos que me abordam, na procura do sucesso, buscam atividades de retorno rápido, ou formulas mágicas de o alcançar. Mas a verdade é que o sucesso não é uma explosão de uma vela de dinamite. O sucesso está ligado a continuidade e coerência. Não tem nada a ver com sorte ou azar. O verdadeiro sucesso, sem efeitos colaterais desastrosos, jamais poderá ter origem num trabalho, mas sim num serviço que realmente gostamos de desempenhar. 

A primeira abordagem que faço ao meu cliente que vem solicitar apoio num projeto que está a pensar iniciar, é levá-lo de uma forma imaginativa, para o projeto em atividade. Imagine que o cliente tem uma casa de campo numa zona paradisíaca contornado por um riacho de águas cristalinas e pensa transformar aquele lugar num espaço de turismo rural. Aparentemente estão criadas as condições para um projeto de sucesso. Mas quando o cliente é inserido no imaginário funcionamento diário da atividade turística (lidar com clientes, colaboradores, encargos bancários, fornecedores, e a manutenção do meio ambiente), a ideia pode mudar. 

Assim; é fundamental que o serviço ou atividade que pretendemos oferecer nos realize pessoalmente e que contribua, para o sucesso e realização do nosso cliente e de toda a humanidade (natureza em geral). Só assim teremos verdadeiro sucesso. Porque, somente com uma atividade que realmente gostamos e nos dá prazer fazer, seremos realizados (não é oxidante / stressante), e nos fornece as energias necessárias para continuarmos diante das mudanças (contratempos). Para quem está empolgado (realizado) com o que faz, não existe a palavra adversidade (obstáculo), tudo são oportunidades preciosas de realização pessoal e contribuição para um mundo paradisíaco. 

O que é que me entusiasma verdadeiramente? 

A minha paixão pessoal está em ressonância com o servir (pessoas e sociedade)?

O que projeto oferecer como serviço ou produto é realmente útil a alguém?

Para quem já está numa atividade e o fluxo parou ou não flui suficiente para preencher todas as necessidades, podemos refletir e fazer a pergunta de outra forma. O produto ou serviço que estou a oferecer é realmente útil para o mundo? Ofereço soluções para as necessidades de meus clientes? Estas são questões que precisamos colocar a nós mesmos.

Nota: nem sempre a solução perfeita e criativa é o mais procurado pelo cliente. Há uma tendência para remediar (adiar), principalmente quando a solução perfeita tem a ver com mudanças. 

Então o que fazer? Oferecer ao cliente o que ele precisa para se sentir realizado e feliz ou o que ele quer? Dar-lhe o que ele quer… (remediar). 

A) – se o que oferecemos é da ordem física: como comida, casa, conforto, vestuário, mobilidade etc, damos ao cliente o que ele deseja. 

B) – se o que oferecemos tem a ver com tutoria/orientação emocional, mental e espiritual, tal como: transformação, autoconfiança, alegria, satisfação, realização pessoal, paz interior, iluminação, enfim…, felicidade.  Damos ao cliente o que ele precisa, através do exemplo e partilha de experiências. Só através do exemplo de vida e partilha de experiências, se pode apresentar um serviço de suporte e tutoria de alguém que procura a mudança. 

Resumindo: 

Tudo que pertencer ao reino tridimensional (que possa ser medido e pesado) teremos sucesso satisfazendo a vontade do cliente. Tudo que não poder ser medido e pesado como realização, saúde, paz de espírito, serenidade, alegria, transformação, iluminação, satisfação, felicidade, abundância, só funciona por exemplo e atração. Ninguém com uma vida em ruína, mesmo que tenha passado pelas melhores universidades do mundo, e conquistado todos os títulos académicos, escrito dezenas de livros, tem autoridade (moral) para prestar um serviço de tutoria/aconselhamento, a alguém que procura um sentido para a vida.

Enfim; se formos honestos e responsáveis, com nós mesmos e estivermos motivados verdadeiramente, e fizermos algo de que realmente acreditamos/gostamos e que é útil para as pessoas, o sucesso está alcançado.

Espero que esta minha partilha de experiência te tenha sido útil. Encontro-me incondicionalmente disponível, para qualquer explicação que não esteja clara neste ou noutro texto escrito por mim,

António Fernandes  

Leia a parte 1 aqui

A realização pessoal faz parte da Saúde Integral

A realização pessoal faz parte da Saúde Integral

realização pessoal

1ª parte

Existe um outro modo de olhar para o mundo

Curso em milagres

É importante que cada um de nós assuma a responsabilidade pela realidade que vive (experimenta). Apesar de ser uma frase muito batida, a verdade é que sem assumirmos a responsabilidade por tudo que está na nossa vida, não passamos de uma folha sem vida (vítima), a boiar no mar da vida, ao sabor dos ventos. Já todos sabemos (temos consciência) que a saúde só é real se for integral (em todas as áreas da vida). Assim, a saúde do corpo físico jamais pode ser separada dos relacionamentos saudáveis, da satisfação e realização pessoal, assim como da saúde financeira, do amor, da alegria, enfim, de Deus. É o separar o espiritual do material (materialismo dualista) que nos leva ao julgamento e a toda a espécie de sofrimento. Apesar de ser outra frase muito batida, anunciada pelo Nazareno há 2000 anos, entrou de novo na moda e enche a boca dos espiritualistas “New Age”.

É preciso acordar e enxergar que estamos errados em reprimir nossos potenciais divinos em prol de uma “normalidade”. Somos natureza. E nós, os humanos, somos de todos os reinos da natureza os que possuímos o poder divino de criar. Cada ser humano é uma célula da humanidade, dotada do poder de Deus (o poder de criar). Apesar de não escrever nada que já não saibas, e de há milhares de anos ser o mote dos iluminados de todas as épocas (despertai), a verdade é continuamos adormecidos neste submundo separatista/dualista.

O cerco da inteligência artificial e da nanotecnologia aperta e o despertar ou continuar adormecido, já não é uma opção de escolha entre “o conforto” da vítima adormecida, que adia o acordar e o oportunista agressor, que se aproveita da sua dormência. O despertar individual é uma questão de vida ou de morte. E a comprovar o que escrevo, temos o atual COVID e a suposta “pandemia”. 

Agora vou tentar explicar porque é uma questão de vida ou de morte. Apesar de sempre ter sido assim, e a OMS alertar sempre para o facto de que tudo começa na Consciência e de que TODAS as doenças crónicas são psicossomáticas, a sonolência é tão grande, que continuamos a querer remediar, em vez de mudar e acabar de uma vez com o problema.

Mas a verdade é que vivemos num universo em evolução constante, e a natureza da qual fazemos parte integrante, evolui ao mesmo ritmo do universo. Não podemos continuar adormecidos no velho paradigma newtoniano/cartesiano. Ou seja as soluções antigas, não se aplicam as necessidades atuais.

Então como é?

A realidade de cada um de nós é o mapa do caminho. E para se compreender o mapa, temos de começar por aceitar o princípio de que a causa do que nos tira a felicidade está no nosso interior. Da mesma forma que é verdade que os vírus, micróbios e bactérias causam a doença e os “acidentes” causam lesões, escoriações, feridas…, também é verdade que isso acontece em consequência do que se passa na consciência da pessoa envolvida. Os vírus estão e sempre estiveram por todo o lado (fazem parte da natureza). Porque é que algumas pessoas são afetadas e outras não? Porque algo diferente se passa nas suas consciências. Porque é que há doentes nos hospitais que respondem de forma favorável aos tratamentos, e outros não? Porque têm perceções diferentes. Porque algo diferente se passa nas suas consciências. Quando alguém se magoa num “acidente”, porque é que é numa parte muito especifica do corpo, exatamente na parte do corpo que, geralmente, tem problemas? Será isso um “acidente”, ou haverá um padrão e uma ordem na forma como as coisas acontecem no nosso corpo e na nossa vida? Porque é que os melhores alunos de uma turma não são os mais bem-sucedidos na vida? Porque é que uns enriquecem e são realizados e felizes e outros empobrecem e vivem miseravelmente? É tudo uma questão de consciência.

Como funciona?

Todos sabemos que o mundo materialista dualista (tridimensional) que estamos habituados, está a mudar a uma velocidade estonteante, para uma realidade unicista em que não há separação possível (espiritual/material), e nunca mais voltará a realidade antiga. Também, todos sabemos que ninguém ensina nada a ninguém (tudo já está dentro de cada um de nós) e que a humanidade e o mundo despertam para o princípio da incerteza. Que graças ao facto de nada poder ser previsível, expandimos a mente ao encontro das possibilidades infinitas. Inicialmente pode parecer confuso, para uma mente adormecida (limitada) no paradigma dualista do mundo tridimensional. Mas se estiver disposto a despertar para a vida (evolução/mudança), vai aceitar que através da incerteza nos abrimos às possibilidades infinitas deste universo maravilhoso. Na verdade, nunca ninguém pode prever o amanhã. Mas o fazer as coisas de uma maneira conhecida, dariam um resultado idêntico. Por outras palavras, não podemos ter resultados diferentes, se fizermos as coisas da mesma maneira.

Então vejamos; apesar de não podemos prever exatamente o que vai acontecer, porque será a forma como o fazemos, e não o que fazemos, que vai determinar para cada um de nós o resultado (Sucesso ou Fracasso). Também existe a um fator importantíssimo que define se o resultado vem pleno de realização ou pleno de frustração. Eu vou explicar melhor. Agora faço-o de forma um pouco superficial, para que o artigo não se torne muito longo, mas no próximo artigo aprofundo estes dois aspetos fundamentais para a compreensão da realidade (Mapa).

O primeiro passo – (admitir o problema) – é reconhecermos que a realidade que experimentamos, já não nos faz feliz. Só assim poderemos desejar outra realidade. Porque não importa se estamos doentes em sofrimento ou atolados na pobreza. É preciso que estejamos cansados do sofrimento e da pobreza (é uma questão de consciência).

O segundo passo – (Solução) – Todo o problema tem solução perfeita e criativa – ter consciência desta premissa ensinada por Jesus, é encontrar a chave que abre a porta da realização (felicidade).

Terceiro passo – (Ação) – estabelecer novos objetivos pessoais – não importa qual é área da nossa realidade (mapa), que entrou em falência, em que a (rotura/insatisfação) é mais evidente. Reparar as roturas e mudar o rumo. Aqui é necessário a ajuda de um conselheiro profissional, para não correr o risco de entramos em círculos viciosos (hoje é muito comum as situações dramáticas, próximas da demência, em muitos membros da comunidade terapêutica New Age, e de muitos profissionais convencionais e das terapêuticas alternativas).

Como artigo já está a ficar longo, e estamos a falar de soluções perfeitas e criativas, para uma vida com qualidade, e não de palha para encher, vou deixar para o próximo artigo informações importantes adquiridas ao longo dos últimos quarenta anos, que fazem a diferença e definem porque o sucesso nos pode levar ao fracasso existencial e principalmente porque é que apesar de todos aprenderem na mesma cartilha, e fazerem da mesma maneira, uns enriquecem e realizam-se e outros empobrecem e depauperam a qualidade de vida.

Por favor não hesites, coloca dúvidas e apresenta as tuas experiências adquiridas, junto participamos na criação de um mundo bem melhor.

Obrigado por fazeres parte da minha realidade e do meu mundo,

António Teixeira Fernandes

A pandemia e o “FAÇA-SE LUZ”!

A pandemia e o “FAÇA-SE LUZ”!

faça-se luz

Nas últimas semanas, deste tempo de águas agitadas, e pouco transparentes, em que chovem noticias contraditórias, em relação a algo que, ninguém sabe muito bem definir…, tenho sentido crescer a onda de aceitação (amor) e solidariedade, no mundo. Como por passe de magia, ou graças a este parar, e ficar em casa, ou até por algo, que a mente tridimensional, não consegue abranger, sente-se no ar a mudança do despertar e o alinhar com ideais que se julgavam extintos. A esperança de um mundo de paz e amor, está a ressuscitar no coração da humanidade, apesar do caos, instalado e da desagregação dos sistemas políticos, sociais, económicos detentores do “poder” no mundo.

Nesta onda de novos ideais, que trazem uma nova expectativa para a humanidade, dou por mim a observar, do ponto em que me encontro, o percurso das instituições até agora detentoras do poder, outrora respeitadas e poderosas, hoje frágeis, em ruína.

Porque é que, o processo tem de ser esse? As instituições, nascem; crescem e morrem, “num universo onde nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”?  Porque é que, precisamos de novos idealistas? Ou será que tudo é perfeito da forma que é? Porque é que, estas perguntas perturbadoras me perseguem quando todos sabemos, que a natureza, é sempre sábia e justa? Será o Covid-19, “fruto” da sabedoria e justiça universal? Vou deixar aqui alguns ideais, que prometiam um mundo maravilhoso, mas acabaram por se distorcer e escravizar o homem moderno.

Ainda…, há bem pouco tempo, no início do ano, eu perguntava a um antigo colega de seminário, porque é que, os bons ideais sociais, acabam deformados e adulterados? Iniciou-se uma grande explicação filosófica, que não explicava grande coisa…, mas que, me criou ainda mais dúvidas, e me flagela a mente com uma hipotética espécie de hipnose psicótica coletiva. Jamais ousaria escrever sobre este episódio, se não estivesse animado com a grande onda de esperança, que invade a humanidade.  

 Então vamos lá, dar como primeiro exemplo a educação liberal, idealizada para ativar a criatividade e desenvolver a mente com o propósito de somar novos sentidos à vida. Mas na verdade este ideal da educação liberal, que prometia liberdade poder e sabedoria, rouba a liberdade, sabedoria e poder de crescer formatando para um emprego (cargo), que amordaça a essência e o poder divino inerente ao ser humano.

Posso dar como segundo exemplo o ideal de Adam Smith, o pai da economia moderna, ou capitalismo idealizado para dar capital a todos; mas, o que acontece é que vivemos a mesma lacuna do feudalismo. Entre ricos e pobres, existe um fosso que se alarga a cada dia que passa…, como é que, este ideal, foi tão distorcido? Espero que o Covid, ajude a fechar o fosso que separa a pobreza da riqueza, assim como o fez ao buraco do ozono.

Como terceiro exemplo, dou a causa onde investi o meu sonho de adolescente. A democracia, o ideal de um “governo pelo povo e para o povo”. Mas, o que de facto, acontece com esse ideal político? Os nossos políticos na ânsia de poder, deixam-se enlear pelos órgãos de “informação”, que os transforma a seu belo prazer em testa de ferro das grandes organizações. Na verdade, quem detêm o poder e governa são as grandes organizações, não os políticos eleitos pelo povo.

Há outros ideais, como os da Fundação Carnegie fundada em 1905, por Andrew Carnegie, que no puro ideal humanitário equipou da mais moderna tecnologia científica as Universidades de medicina, acabando em menos de 50 anos com o estudo de Hipócrates (pai da medicina) em todo o mundo. Criando-se assim a poderosa e muito bem organizada indústria da doença.

 Poderíamos para terminar por falar do ideal religioso que tem como finalidade promover, valores e princípios espirituais, e levar a esperança de uma vida mais próspera e feliz, aos mais afastados de uma vida com sentido. Mas que a cada dia que passa, tornam-se cada vez, mais cúmplice do sistema e da política.

Onde é que erramos? Porque é que os bons ideais, acabam deformados e adulterados? Poder-se-ia certamente arranjar milhares de explicações filosóficas, até científicas para esse fenómeno, instalado em todas as áreas da sociedade moderna. Mas afinal o que é que a Pandemia ou o Covid tem a ver com isso?  Não tem nada a ver? Ou tem tudo a ver? Neste momento está a despertar a consciência colectiva, para os problemas sociais a uma escala global. Apesar do aquecimento global, e a ameaça de guerra nuclear, que pairava no início do ano, ter ficado para segundo ou terceiro plano, a crise económicas a escala global, ameaça colapsar o mundo. Apesar do esforço do sistema, para remendar os buracos económicos, não há pano que aguente mais remendos. “O saco arrebenta pelas costuras”.

Enfim…, já expus à luz, o que tanto me tem consumido, nos últimos dias. Sinto-me liberto, alegre e feliz, convicto que, com o novo paradigma unicista, da moderna física quântica, os ideais estão protegidos de adulteração. Se tens uma opinião ou explicação pela matéria, por favor não hesites…, permite que se faça luz.

Incondicionalmente disponível,

António Fernandes   

O sofrimento como motor da mudança

O sofrimento como motor da mudança

motor da mudança

“Onde nada muda, nada muda” – diz a sabedoria popular

Nenhum sofrimento pode ser tão cruel, do que o não confiarmos em nós mesmos, nem no processo e fluxo da vida (ANSIEDADE).

Vivemos num mundo maravilhoso e todos os dias chegam pelos vários meios de comunicação soluções para os mais variados problemas. Mas…, com a instalar da pandemia, começa-se a despertar para o facto de que tanto o sistema como as instituições detentoras do poder, não oferecem soluções para a crise que a sociedade moderna enfrenta. Parece que, se torna urgente rever as prioridades, e possivelmente mudar de eixo.

Cada vez mais a humanidade desperta para o facto, que remediar, já não é mais solução. “É urgente mudar”, dizem eles. Como e onde mudar? Em primeiro lugar, é preciso recuperar a individualidade (sair da massa). Só livres, temos acesso ao poder e sabedoria, para assumirmos a responsabilidade pela nossa vida. De outra forma, somos como pedaços de cortiça, a flutuar na água, ao sabor dos sentimentos e emoções.

Como mudar e o que mudar? Aqui reside o cerne da questão. Não existem duas pessoas iguais, e o conceito de normalidade (normativo), não pode ser aplicado ao ser humano. Formatar um ser humano, como se de um parafuso se tratasse, foi o maior erro, da sociedade moderna. Apesar da necessidade urgente de uma mudança de paradigma, que liberte a humanidade da formatação normativa, a mudança da humanidade será sempre, através do individual e nunca pelo social, como foi feito no último século, com resultados catastróficos.

A mudança é individual e começa dentro de cada um de nós. Nada vem de fora…, um pobre jamais será rico só porque lhe saiu o Euromilhões. Um pobre que lhe saiu o Euromilhões, torna-se num pobre com muito dinheiro. O pobre só será rico, quando mudar interior/mente. Assim como um doente oncológico ou cardíaco, não deixa de ser doente só porque se submeteu a uma cirurgia. Da mesma forma, a alegria de viver, a felicidade, a realização pessoal, a paz e a serenidade, se consegue com a conquista de algo. Assim como sabemos que um analgésico, não cura a causa da dor ou um ansiolítico, resolve o problema da ansiedade.

Apesar de tanto o analgésico assim como o ansiolítico se devam usar em SOS, sabemos, que só removendo a causa, mudando interior/mente, teremos uma nova realidade exterior.

Como, e quando se deve mudar? Mudar é reciclar, é transformar o inútil em útil. Os ventos estão favoráveis à mudança, porque uma onda de amor “mudança”, está a varrer a face da terra, e no meio destas mudanças profundas começam a surgir vocações até aqui escondidas em milhões de homens e mulheres aumentando o desejo da transformação pessoal.

O mundo vive o grande momento de viragem, e a maior procura de transformação pessoal, vem através do sofrimento da ansiedade. Nenhum sofrimento pode ser tão cruel, do que, o não confiarmos em nós mesmos, nem no processo e fluxo da vida.

Para ser possível avaliar a gravidade da situação vou mostrar aqui “a solução ideal”.

Acompanha-me! Como é que, alguém que vive imerso no terror (sofrimento/ansiedade), pode mudar para viver sereno seguro e confiante? Há sempre uma solução perfeita para cada caso. O primeiro passo é o individuo em sofrimento ter o desejo de mudar. Mas por si só o desejo não é suficiente se não tiver uma ajuda consciente e responsável (aqui a filosofia do pronto a vestir, não funciona…, seria o mesmo de que tentar apagar o fogo com gasolina). Para os casos mais graves, é exigido, uma escola com uma equipa experiente e multidisciplinar. Em alguns casos, o sucesso só é possível através de um programa de reciclagem e transformação 100% flexível (em ambiente protegido).

É verdade que esta solução é fictícia, para mais de 99% dos que sofrem de ansiedade, o seu custo é tal, que possivelmente, nem 1% dos ansiosos tem condição financeira, para se submeter a um programa personalizado de reciclagem e transformação pessoal. Mas…, mesmo que exista a possibilidade financeira, a oferta especifica no mundo, é tão limitada, por falta de verdadeiras escolas de reciclagem e transformação que nem 1% dos que têm possibilidade financeira, teriam acesso, ou corriam o risco de morrer na lista de espera.

 Então qual é a solução para os milhões de ansiosos no mundo? Apesar de ser verdade que há milhões de ansiosos em sofrimento atroz, no mundo, nem todos querem verdadeiramente mudar.

    Faz-me lembrar mais uma vez,  o conto do enorme Cão pastor Alentejano, que agonizava de dor. O pobre do cão, gania…, gania…, sem parar de forma agonizante…, perante o visível sofrimento do enorme cão, um forasteiro indignado que passa pelo local confronta o dono que repousa tranquilamente na espreguiçadeira. – “o senhor não vê o seu cão em sofrimento”? “Como pode ser tão cruel”?  O dono levanta a cabeça e responde…, “não se preocupe”…, “o meu cão deitou-se em cima de um prego que lhe está a rasgar a pele…, mas enquanto a preguiça para mudar de sitio for maior que a dor ele não muda”. Infelizmente há muita gente em grande sofrimento, mas ainda não surgiu o desejo de mudar…,

Para todos que estão em sofrimento e estão dispostos a mudar, há oferta acessível a todos. Basta querer verdadeiramente e procurar uma solução…, que a vida, vai providenciar a melhor solução para cada caso.

Qualquer dúvida, não hesites.

Incondicionalmente disponível,

António Fernandes

O QUE É QUE SE PASSA REALMENTE NO MUNDO?

O QUE É QUE SE PASSA REALMENTE NO MUNDO?

o que se passa realmente no mundo

O que é que estamos a viver?

Depois do “estado de emergência” é provavelmente decretado o “estado de calamidade publica” …, o momento é de tranquilizar. Acalmar o coração e a alma. Apesar de ninguém saber o que verdadeiramente se passa, temos a certeza de uma coisa, TUDO VAI FICAR BEM! A natureza é sábia e sempre justa. O universo é autoconsciente e tudo que nele existe, visível ou invisível, é matéria inteligente.

     As instituições detentoras do poder, estão a fazer, o melhor que sabem, através do que conseguem enxergar, do ponto de luz em que se encontram. Consoante vão sendo trazidas “à luz” declarações científicas, políticas, médicas, sociais, económicas, religiosas, mais me é trazido a memoria a velha parábola Hindu – Os Sábios Cegos e o Elefante.

Para os que, já não se recordam da parábola, eu vou avivar a memória. “Como quem conta um conto, acrescenta-lhe um ponto” eu não quero fugir à regra.

 ENTÃO VAMOS LÁ…

“Numa cidade da Índia viviam sete sábios cegos. Como os seus conselhos eram sempre soluções brilhantes, todas as pessoas que tinham problemas procuravam a sua ajuda.

A pesar dos sábios serem amigos, existia competição entre eles…, que, de vez em quando, davam origem a grandes dissertações sobre qual deles, seria o mais sábio.

Certo dia, já altas horas da noite, depois de muito discutirem acerca da verdade da vida, e não chegarem a um acordo, um dos sábios ficou tão zangado, que resolveu ir viver sozinho, numa caverna da montanha. Disse aos companheiros:

– Somos cegos, para estarmos despertos, para podermos ouvir, e entender melhor que as outras pessoas, a verdade da vida. E, em vez de aconselharmos os pobres adormecidos, ficamos aqui discutindo como se estivéssemos em competição. CHEGA! Não aguento mais! Vou-me embora.

Uns dias depois, chegou à cidade um comerciante montado num enorme elefante. Toda a cidade entrou em alvoroço, nunca ninguém tinha visto, animal tão colossal. Os sábios cegos nunca tinham tocado nesse animal e correram para a rua ao encontro dele.

O primeiro sábio apalpou a barriga do animal e declarou:

– Trata-se de um ser gigantesco e muito forte! Posso tocar nos seus músculos e eles não se movem; parecem paredes…

– Que palermice! – disse o segundo sábio, tocando nas presas do elefante. – Este animal é pontiagudo como uma lança, uma arma de guerra…

– Ambos se enganam – retorquiu o terceiro sábio, que apertava a tromba do elefante. – Este animal é idêntico a uma serpente! Mas não morde, porque não tem dentes na boca. É uma cobra mansa e macia…

– Vocês estão loucos! – gritou o quinto sábio, que mexia nas orelhas do elefante. – Este animal não se parece com nenhum outro. Os seus movimentos são bamboleantes, como se o seu corpo fosse uma enorme cortina ambulante…

– Vejam só! – Todos vós, mas todos mesmos, estão completamente errados! – irritou-se o sexto sábio, tocando a pequena cauda do elefante. – Este animal é como uma rocha com uma corda presa no corpo. Posso até pendurar-me nele.

E assim ficaram horas discutindo, aos gritos, os seis sábios. Até que o sétimo sábio cego, o que agora habitava na caverna, apareceu conduzido por uma criança.

Ouvindo os gritos histéricos da polémica, pediu ao menino que desenhasse no chão a figura do elefante. Quando tateou os contornos do desenho, percebeu que todos os sábios estavam certos e enganados ao mesmo tempo. Agradeceu ao menino e afirmou:

– É assim que os homens se comportam perante a verdade. Pegam apenas numa parte, pensam que é o todo, e continuam tolos!”

Apesar da visão acertada do sétimo cego, em relação ao comportamento dos homens perante a verdade, poderíamos aqui também incluir os sistemas detentores do poder mundial, neste tempo agitado de mudanças.

 O mundo já mudou! O Covid19 veio mostrar o que a velha máquina do poder, tentava esconder. De nada adiantou tentar tapar “o sol com a peneira”, com as tomadas de força. “A verdade”, mesmo escondida, manipulada, ou ignorada, não deixa de ser verdade (“na natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma” – Lavoisier). A velha máquina, outrora prospera e poderosa, ao resistir a mudança de paradigma, entrou em stress, adoeceu, e foi ficando cada dia mais frágil (apesar de tentar manter a aparência). A máquina perdeu o controlo sobre os sistemas e virou sucata para reciclar.

“Uma nova era dourada de amor iluminará a face da terra”, já dizia o mestre.

O terror de ser contagiado e contagiar, passa pela metamorfose e transforma-se em aceitação (a mais ampla expressão se amor)? Estou convicto que sim. Apesar dos alertas, para a segunda vaga de “Covid”, acalma a vibração de medo, e renasce a essência amorosa em cada ser humano. A vida está a emergir da egoesclerose, e um novo homem, habitará a terra.

O momento é de acalmar a vibração, e todas a ferramentas são boas, quando os resultados são bons.

A minha poderosa ferramenta de mudança foi inicialmente oração da Serenidade

“Deus concede-me serenidade, para aceitar o que não posso modificar.

Coragem para modificar aquelas que posso,

e sabedoria, para distinguir uma das outras”.

Chegou a hora de aproveitar a oportunidade do momento que estamos vivendo, baixar os braços, aceitar que o mundo já mudou, me voltar para dentro, e permitir a mudança, em vez de lutar (“coragem para mudar o que posso mudar”).

A mudança já aconteceu, se enxergarmos com um pouco de atenção. Vemos que “o salve-se quem poder”, está a dar lugar a aceitação, e ao verdadeiro sentido da palavra “solidariedade”. E cresce a cada dia que passa, a certeza e autoconfiança, que; seja lá o que for, que venhamos a precisar, a vida (natureza/universo), vão providenciar. Não é o ser humano, o único de todos os reinos da natureza, munido do poder divino?

Benvindo ao novo mundo

António Teixeira Fernandes  

Pin It on Pinterest