À luz do novo amanhecer

À luz do novo amanhecer

Reação/Negação

A negação/reação não só é responsável por mais de 85% das doenças segundo a OMS (por ser a fonte geradora de stress), como é o maior inimigo do desenvolvimento pessoal e da prosperidade do ser humano. Ou seja… a negação é uma “tomada de força” (resistência), usada contra nós mesmos.

Qual o porquê dessa incoerência? Antes de tudo, temos que estar cientes de que, apesar dos galopantes avanços tecnológicos e da assombrosa evolução da chamada “inteligência artificial”, o sistema dominante instituído, e a humanidade em geral, ainda se comportam como se ainda não tivesse saído da idade da pedra lascada. E, como prova disso, temos a forma arcaica e contraditória com que se lutou contra a pandemia, numa altura, em que, tanto se fala em defender a natureza e o planeta.

Como funciona a negação?

Negação/rejeição/reação são 3 palavras que significam resistência. Como tudo começa? Não podemos num artigo traçar as linhas mestras, ou definir a causa que nos levou a um estado de defesa (resistência). Só uma abordagem profunda e individual, numa sessão terapêutica de gestão de stress, por um profissional experiente pode clarear a causa individual.

Mas de uma forma genérica, podemos elucidar o porquê, do tamanho disparate de negar ou rejeitar o que a vida generosamente nos oferece. Na verdade; este absurdo de resistir ao que a vida generosamente nos oferece está diretamente ligado ao paradigma separatista da dualidade, materialista. Assim como estamos ancorados na ilusão da aparência, numa determinada altura da nossa vida criamos negação (resistência), para nos defendermos de coisas que achamos, através da ilusão da aparência, serem uma ameaça de dor, falta ou sofrimento. Quando optamos por reagir, estamos convictos que resolvemos o problema, mas na verdade, damos início a uma espiral de situações que se não forem corrigidas a tempo, acabam, no fracasso, na falência, numa doença crónica, que pode ou não levar a uma mesa de cirurgia.

Posso deixar aqui alguns dos infindáveis exemplos possíveis, que nos levam ao estado de resistência, com que depois rejeitamos ou negamos qualquer coisa que a vida generosamente nos oferece. Um exemplo pessoal, entre os 11 e 12 anos, frequentei uma escola maravilhosa, onde todos os alunos dos mais velhos aos mais novos, vivíamos numa paz paradisíaca. Para manter o alto padrão de qualidade, tinha algumas pequenas regras, uma delas, era não manter um aluno reprovado. Eu reprovei e fui rejeitado (convidado a sair).  Quando um mês depois, fui convidado para uma escola semelhante, a minha primeira reação foi negar (na verdade o que mais desejava), para não correr o risco de ser rejeitado. Ou seja…, através desta ilusão, acabei por me rejeitar a mim mesmo.

Nos relacionamentos, esta atitude é muito comum. A pessoa rejeita-se para não permitir novos relacionamentos. Estas atitudes insanas, resultam da hipnose psicótica, em que nos encontramos inseridos. Tanto a criança, que não come para punir ou chatear a progenitora, como, o adulto que se priva do que ama, somente para punir alguém, com quem tem algo em aberto. São exemplos de insanidades que somente nos darão mais e mais sofrimento.

Será que quando estamos em estado de negação/rejeição, temos consciência do mal que nos causamos? Claro que não; quando agimos assim, estamos sobre hipnose, não temos consciência que esse tipo de comportamento só nos vai trazer mais e mais sofrimento. Tanto sofrimento imediato, transformado em stress e ansiedade, como o dar início a uma espiral interminável de resistência, stress, medo.

O mais grave é que nenhuma área da vida fica imune ao inferno do medo, criado pela negação. E quanto mais resistimos, mais medo e inferno criamos.

 Como fazer para nos libertamos deste sem fim, que nos projeta no inferno existencial?

A solução é simples e eficaz; embora fora da compreensão dos mais adormecidos. Começa e acaba, em aceitarmos a nossa verdadeira essência divina e vivermo-la somente. E o inferno existencial transforma-se em paraíso.

 Vou tentar esclarecer, tem calma…, todos sabemos que somos seres espirituais a passar por uma experiência material. Certo? Sabes também que és feito à imagem e semelhança do criador, assim como, tudo que existe visível ou invisível no universo. Ciente disso, basta nos libertarmos da hipnose da aparência e vivemos com deuses que somos.

–  Onde está Deus, não há medo, porque Deus é luz, e medos são trevas. Onde chega a luz, as trevas desaparecem.

–  Onde está Deus, não há controle, porque Deus é o próprio fluxo da natureza

– Onde está Deus, não há rejeição. A rejeição é originada no medo de ser rejeitado.

– Onde está Deus, está o amor, a essência que incendeia a vida humana.

Todo o resto é ilusão. Quando conseguimos assumir a nossa verdadeira essência, entramos no cerne ou essência da vida.

AGORA…; para quem ainda não se consegue desapegar da ilusão da aparência, pode minimizar ou até mesmo transformar o sofrimento criado pela negação, através de um autoconhecimento superficial, sugestões e pequenos truques. O resultado apesar de ser muito bom e mostrar grande “transformação”, é superficial. Eu próprio o experimentei e salvou a minha vida.

Então, agora vamos lá, apesar de não sairmos do velho paradigma, podemos experimentar uma vida exteriormente maravilhosa, dentro do sistema vigente, apesar de igualmente ilusória.

Começamos por identificar quais as razões que nos levaram a bloquear algumas áreas da vida. Vamos tentar compreender o funcionamento da negação para podermos eliminá-la.

Vejamos então: geralmente, pensamos que as nossas ações podem não contar com a aprovação dos outros. Esse pensamento ou julgamento gera uma energia de insegurança, que nos coloca em resistência ou negação.

Há muitos ditados populares, quando ouvidos na infância ou adolescência, por pais, professores, avós, e outros representantes da autoridade, que podem, por associação, nos bloquear durante a vida inteira, até que se tenha consciência da causa e transforme o bloqueio.

Por exemplo: ouvi muito em criança, pela minha mãe que “o que muito alto sobe, ao mais baixo vai cair”. Este ditado, que ouvia da minha mãe, bloqueou centenas de vezes o meu sucesso. Sempre que me preparava  para o grande salto, esta voz, na minha mente me impedia, ou alguém, bloqueava a minha ascensão. Apesar de hoje saber que o sucesso, não acabava ali, nem que a vida, me deixa de me dar mais e mais oportunidades, a voz dum célebre professor soava estrondosamente na minha mente, dizendo: “as oportunidades na vida são únicas, desperdiçá-las é nunca mais alcançá-las”.

Durante grande parte da minha vida, estive refém destas crendices da pobreza, vindas da autoridade, impedindo-me o sucesso. Podia dar-te mais exemplos pessoais, mas penso não ser importante. O essencial é a mensagem, não o mensageiro.

Temos outras causas de bloqueio. Se por exemplo, a ideia de sucesso e ser rico, te atemoriza pelos perigos que te deixam exposto, como roubo, rapto, usurpação etc., estás criando obstáculos para que o sucesso e riqueza nunca cheguem até ti.

Se pela auto-observação percebemos quais as causas com que obstruímos a realização de nossos sonhos e objetivos, é importante lembrar que a reação/negação/rejeição/resistência, são ações de defesa, baseadas na ilusão de perigo. 

Sei que há, quem se considere cético, e que diz que a realidade é mesmo essa; estamos cá para sofrer, ou que a culpa desta vida miserável, de mentira, traição, estupro, deve-se ao sistema.

  Espero que este artigo te tenha ajudado a clarear a razão duma realidade que não te deixa feliz. E que se tenha acendido uma luz no fundo do túnel, para aqueles, que procuram uma vida com sentido. Obrigado por estares na minha realidade.

António Fernandes

Ansiedade ou Stress… qual é a Solução?

Ansiedade ou Stress… qual é a Solução?

Muito se tem escrito e falado, sobre o mais sério problema de saúde pública. Tanto a ansiedade como stress são a maior causa de sofrimento do mundo moderno. Não só pelo terrível sofrimento que inflige a quem delas sofre, como pela consequência nas doenças digestivas, cardiovasculares e respiratórias, assim como na maioria de cancros e dependências químicas e outras.

Esta informação encontra-se espalhada por milhares de livros impressos, assim como também em milhões de artigos, espalhados por sites de todo o mundo, ao acesso de todos e à distância de um clique.

O que talvez seja mais difícil encontrar são soluções perfeitas, tanto para a Ansiedade, como para o Stress. Se é que existem para todos. Apesar de não trazer aqui nenhuma receita milagrosa para este problema à escala global, posso afirmar que existem soluções, para quem está disposto a fazer uma revisão honesta e responsável do paradigma com que gere e guia a sua realidade.

Apesar de não existirem dois ansiosos iguais, temos que concordar que ansiedade é medo sem causa, resultante da falta de confiança no processo e fluxo da vida. Até aqui todos estamos de acordo. Mas agora surge outra questão; o que leva o ansioso a viver no medo, ou a não confiar no processo e fluxo da vida?

Então vejamos; não confiar na única coisa (vida) que nunca nos abandona desde a primeira inspiração até á última expiração, é algo muito grave. Se não confiamos na nossa própria vida, em que é que se confiará? Há algo muito errado na nossa educação, que é urgente corrigir.

De onde advém esta grande lacuna que tanto, tanto, sofrimento traz à humanidade? Apesar de já vivermos na Era da informação, o sistema vigente no mundo precisa do obsoleto paradigma separatista/dualista para sobreviver. Advindo daí esta grande lacuna existencial, e toda forma de incoerências. Mas contra isso é inútil lutar.

O que se pode fazer para ajudar o ansioso que vive atormentado no seu inferno existencial?

– É urgente reeducar, mudando o sistema de crenças, reajustando o ser em sofrimento à liberdade do processo e fluxo da vida.

A Casa Escola António Shiva® há mais de vinte anos, dá formação a profissionais de saúde, para que possam ajudar os seus clientes em sofrimento e recebe pessoas de todo o mundo, dispostos a fazer o que for preciso para se libertarem desta corrosão física, emocional e mental do ansioso em sofrimento.

Como se faz um ansioso?

Cada criatura humana é um ser único, dotado de um poder infinito de criar. Tudo que a sua mente consegue conceber, ele tem o poder de fazer. Mas…, o sistema vigente não permite que o ser humano desenvolva a sua criatividade, além das suas limitadas fronteiras pré-definidas. Assim…, desde tenra idade, este ser único, dotado de um poder infinito, é submetido a uma educação separatista, dualista, instigado na competição, culpa e medo. Que não só lhe suga o poder criativo inerente a cada ser humano, como lhe fragmenta a própria vida, tratando como refugo todo aquele que não corresponda às necessidades da sobrevivência do sistema. Assim se cria o oceano da ansiedade.

Como se entra no afamado mundo do Stress?

Aqui o processo começa da mesma forma que no ansioso, e continua relacionado com os princípios educacionais separatistas/dualistas. Mas agora…, a pessoa perante o estímulo da competição com indivíduos mais sensíveis emocionalmente, supera-os, julga-se vencedor, apto para servir o sistema. Torna-se fácil de moldar e facilmente se ajusta às necessidades do sistema, executando o que o sistema espera dele. Este é o padrão exigido aos cidadãos que constituem o universo do sistema vigente. Dentro do vasto leque de cidadãos necessários para que o sistema funcione, há, além de outros, os brilhantes excecionais, aqueles cujas vidas são uma profusão de sucessos, representando o modelo perfeito da felicidade alcançável. Mas que, na verdade, são tristes e infelizes. Estão no topo da sociedade, mas perderam o seu eixo individual. Vêem-se sozinhos e enganados pelo sistema. Comportaram-se como o sistema lhes exigia, servindo como modelo, mas…, em vez da terra prometida, acabaram esmagados pelo stress ou no vazio existencial.

Como vimos até aqui, tanto a ansiedade como o stress são o sacrifício exigido para que um sistema instável, ultrapassado, semimorto se perpetue.

Como libertar o ansioso?

O Ansioso liberta-se da prisão do medo, quando recuperar as faculdades com que nasceu. Sabedoria, poder e liberdade. Só recuperando o poder infinito intrínseco ao ser humano, ele se liberta do medo. Ou seja, o ansioso precisa de ser ajudado na remoção do lixo com que sufocaram as suas faculdades, e ajudado a desenvolver a liberdade, poder e sabedoria, renascendo dos escombros da culpa e do medo.

No Stress… a solução é outra.

O Stress faz parte dos indivíduos que suportam o sistema. Aqui a solução não seria libertar o stress, mas sim aprender a gerir o stress. Facilitando a todos que suportam o sistema, uma melhor qualidade de vida.

Como fazer para encontrar Soluções?

A Casa Escola António Shiva® , à semelhança de outras instituições prestigiadas no mundo, tem soluções personalizadas a cada indivíduo.  Há sempre uma solução, para quem quer.

António Fernandes

Palestra: “Drogas e alcoolismo – Há uma saída”

Palestra: “Drogas e alcoolismo – Há uma saída”

Nesta palestra vamos conhecer os perigos das drogas e do alcoolismo, como a pessoa se torna dependente das drogas e do álcool e, principalmente, como atingir a liberdade absoluta das drogas e do álcool.

Também veremos que qualquer tipo de dependência, seja relacionado às drogas, ao álcool, aos jogos, à prostituição, à internet etc., pode ser recuperada totalmente. Quando digo recuperar totalmente estou a referir-me a eliminar as causas psicológicas da dependência, o que é muito diferente de como normalmente sucede, desintoxicar fisicamente (reprimir a dependência), o que deixa a pessoa vulnerável as inevitáveis recaídas.

A dependência

Qualquer tipo de dependência resulta da baixa autoestima e falta de capacidade de lidar com sentimentos e emoções. Sempre que o nosso Eu não sabe lidar com um sentimento, deita mão de uma coisa, cigarro, copo, droga enfim qualquer coisa que altere o estado de humor.

Embora hoje não sejam tratadas aqui outras dependências, como o jogo, a prostituição, Internet etc., têm a mesma causa, efeito e solução.

O mais grave é que sempre que é alimentado com o consumo ou uso da substância o ego vai ficando mais forte e com isso tem maior poder de controle sobre o dependente que sofre, agindo em sua psique e em seu organismo, obrigando essa pobre pessoa a voltar a cair no consumo e assim aumentar cada vez mais o fosso da culpa.

É fácil concluir que isso vai se tornando uma “bola de neve”, um problema que inicialmente era pequeno se transforma em algo totalmente descontrolado.

Tanto o alcoólico como o toxicodependente tornam-se dependentes apenas experimentando poucas quantidades no início, pois creem que podem largar o consumo logo queiram. Isso é um grande erro, pois mesmo com essas pequenas quantidades, se o uso ou o consumo de bebida tiver como finalidade alterar o estado de humor, a dependência já existe, e como uma gravidez, progressivamente se vai se fortificando, até que tenha o controle sobre essa pessoa. Quando a pessoa se dá conta já está preso a uma dependência muito forte.

Nesta palestra vai ter acesso à porta de saída do inferno existencial, em que se encontra todo aquele que está dependente de álcool ou outra qualquer droga.

António Fernandes

Palestra Online e Presencial com António Fernandes

Horário: 12 de Junho de 2021

15H Lisboa, 11H Brasília,15H Luanda,15H Londres, 10H Nova Iorque,16H Madrid

Aceda aos detalhes da palestra aqui: https://casaescolaantonioshiva.com/comunidade/events/event/view/1863/palestra-drogas-e-alcoolismo-%E2%80%93-ha-uma-saida

Adição/Dependência

Adição/Dependência

Introdução

Este artigo é o primeiro de uma série de pequenos artigos que procuram trazer à luz uma das doenças mais difundida no mundo moderno a adição. Não só tem como objetivo uma visão ampla do problema, como o trazer soluções responsáveis (duradoiras), para todos que sofrem desta doença.

 Quando se fala em adição ainda existe uma grande associação ao álcool, benzodiazepinas e a outras drogas químicas. Mas a verdade é muito mais ampla. Existem milhões de adictos que nunca usaram álcool nem químicos para alterarem seu estado de humor. É preciso despertar para o facto que existem neste momento milhões de adictos à internet, em todo o mundo, que apesar de estar a assolar a nossa juventude, também se expande a todas as faixas etárias. Há também centenas de milhares de pessoas adictas às compras, à comida, ao trabalho, ao furto, ao sexo, à pornografia, à comida saudável, às redes sociais, séries televisivas, telenovelas, noticiários, ao ginásio e a muitas outras adições como sucesso, poder, pedofilia, codependência, etc.  

O início e expansão da Adição

A aparente realidade atual está na raiz da adição. O mundo e a humanidade em geral está a passar pela maior transformação que há conhecimento em toda a sua história. Todos procuramos ser felizes e realizados, num mundo altamente competitivo, ainda regido por um paradigma separatista/dualista em que se privilegia o estar em detrimento do ser. Como o estar é transitório e o ser é perene, fica-se sujeito ao efémero, e esquecemos o permanente. Diz-se que o mundo é dos espertos oportunistas…, e são eles que o governam.

 Mas na verdade, se nos agarramos ao momentâneo, criamos insegurança (medo). Tornamo-nos fábricas de medo. Como adito em recuperação, e com a experiência de mais de 20 anos a conduzir outros adictos à liberdade, estou convicto que a maior parte das pessoas deste mundo, não consegue lidar com a insegurança produzida pelo obsoleto paradigma vigente. Dessa incapacidade, surgem sentimentos de frustração, solidão, medo, em lugar da paz de espírito realização…, o vazio.

Crenças sobre a adição.

Porque a doença se chama adição?

Adição significa soma (juntar algo) Eu + Algo (não importa se é álcool, droga, internet etc.) completo-me (altero o estado de humor).

Como a adição é uma doença caracterizada pela negação, o adito nunca admite o seu problema. Tenta ser sempre diferente, para poder dizer que não é igual ao outro.

Como funciona?

A adição é uma doença de compulsão e obsessão. A compulsão é física e funciona como motor de arranque e a obsessão é mental perpetuando a progressão da doença (pescadinha de rabo na boca).

A adição tem cura?

Não se pode falar em cura, mas sim em recuperação (transformação/mudança).

Como somos todos diferentes, e existe uma grande variedade de adições, e todas elas têm como objetivo alterar o estado de humor, vou deixar aqui alguns motes para os próximos artigos me dedicar a desenvolver algumas das mais urgentes. Calmantes (benzodiazepinas), álcool, internet, e todas as outras que me seja solicitado pelos leitores ou clientes da casa escola António Shiva®.

O próximo artigo vamos abordar o alcoolismo seu processo, no uso social, abuso e dependência. Desintoxicação, abstinência e recuperação.

Obrigado por estares aqui comigo, as sugestões e dúvidas são bem-vindas.

António Fernandes

https://casaescolaantonioshiva.com/

Palestra Online: “Eu escolho a emoção que desejo sentir”

Palestra Online: “Eu escolho a emoção que desejo sentir”

Palestra Online Eu escolho a emoção que desejo sentir

Quer queiramos, quer não, somos nós que decidimos que sentimento viver. Não são as situações do quotidiano que nos levam para o stress, ira, culpa ou até vitimismo, mas sim a forma como decidimos viver cada momento. Apesar de ser estúpido negarmos ou reagirmos negativamente ao que não podemos mudar, na verdade, é essa atitude estupida perante a vida, que cria toda a forma de dor e sofrimento.

É necessário acordar para a realidade e viver de forma inteligente. Sei que não é novidade para ninguém, porque todos mestres que passaram por este planeta foram unânimes a proclamar a aceitação do que não se pode mudar. Foi essa atitude de aceitação e não julgamento que fizeram as grandes mudanças neste mundo.

A pergunta é esta: Porque continuamos a negar a vida, criando toda a espécie de sofrimento, em vez de a aceitarmos e entramos no seu fluxo de crescimento eterno?

Será demência? Ou é somente estupidez?

Espero-te este sábado, na palestra on line com a uma mão cheia de dúvidas.

António Fernandes

Mais detalhes sobre esta palestra online: https://casaescolaantonioshiva.com/comunidade/events/event/view/1847/palestra-online-eu-escolho-a-emocao-que-desejo-sentir

Pin It on Pinterest