alimentação

“Nem só de pão vive o homem”

Disse Jesus

Chegam todos os dias questões sobre alimentação. Embora seja naturopata de formação, tenho me dedicado nos últimos vinte anos à medicina quântica, impulsionadora da saúde integral. Não sou nutricionista, nem amante dessa prática reducionista. A indústria da doença já é bem poderosa, não precisa de mais ajudas.

Respeito todo o tipo de dietas e não tenho por hábito fazer proibições ou restrições alimentares aos meus clientes. Costumo dar-lhe uma clara informação sobre os alimentos e a sua boa absorção. Cito muitas vezes as palavras de Jesus à multidão (Mateus 15):

“Ouvi e entendei! Não é o que entra pela boca o que torna uma pessoa impura, mas o que sai da boca, isto sim, corrompe a pessoa”.

Sei que a maioria dos meus colegas e os gurus da internet ficam escandalizados com a minha postura flexível em relação à alimentação dentro de uma saúde integral. Fazem-me recordar mais uma vez os versículos bíblicos seguintes às palavras de Jesus:

“Então, aproximando-se dele os discípulos, avisaram: “Sabes que os fariseus se ofenderam quando ouviram essas tuas palavras?”.

Concordo com a OMS que diz “cerca de 50% da mortalidade por doenças crónicas pode ser atribuída a fatores do estilo de vida das pessoas. A alimentação está entre esses fatores, em conjunto com o hábito de fumar e o de beber álcool em excesso.”
Se analisarmos o texto da OMS “cerca de 50% da mortalidade por doenças crónicas pode ser atribuída à fatores do estilo de vida das pessoas”, até aqui correto. Os estilos de vida resultam da forma como se vê a vida. Nunca ninguém conheceu uma pessoa alegre e feliz sofrer de anemia, certo? Ou conheceu? A alimentação é a mesma coisa. Uma pessoa que está de bem consigo e com a vida não vai se drogar, embebedar ou se envenenar com alimentação tóxica. Segundo a mesma OMS, 85 % das doenças são psicossomáticas. Se são psicossomáticas, significa que resultam de criações mentais, que se manifestam nos diversos sistemas que constituem o nosso corpo. Vejamos alguns exemplos de doenças psicossomáticas: gastrointestinal (refluxo, úlcera, gastrite, colite, etc….); respiratório (enfisema, asma, cancro do pulmão, rinite, sinusite, tuberculose, bronquite… ); cardiovascular (hipertensão, taquicardia, angina, angina de peito, enfarte agudo do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais (AVC), cardiopatia hipertensiva, febre reumática, arritmia cardíaca, etc….); dermatológico (vitiligo, psoríase, dermatite, herpes, urticária, eczema, etc….); endócrino e metabólico (diabetes); nervoso (enxaqueca,
vertigens); das articulações (artrite, artrose, tendinite, reumatismos).

Enfim…,

perante esta realidade será que se justifica este folclore em volta da alimentação saudável? Não seria melhor irmos à causa de todos os problemas (em vez de sermos os “tolinhos” que criamos as nossas fontes de sofrimento para que não falte emprego aos pobres empregados da indústria da doença)?

O paradigma com que alimentamos as nossas mentes de onde resultam pensamentos, sentimentos e emoções?
As consequências desastrosas da escravidão de uma alimentação saudável. Já convivi de perto com pessoas radicais em relação à alimentação, vou relatar um exemplo e partilhar duas ou três situações, que marcaram profundamente a
minha carreira. Aqui na Casa Escola António Shiva temos o quarto Hulda Clark, o quarto onde ficou hospedada durante a sua estadia em Portugal, a cientista que mais trabalhou na investigação da cura do cancro e de outras doenças graves. Deixou um manancial de informação magníficas para o mundo distribuídos por sete livros, dos quais destaco “The Cure for all Diseases”, “The Cure for HIV and Aids” e “The Cure for all Cancers”. Hulda R. Clark, recordo-a como uma escrava de uma alimentação 100% saudável, que não a defendeu do cancro que a levou à morte em setembro de 2009. Como ela convivi com outros amantes da alimentação “100% saudável” que procuravam a minha ajuda já em fase terminal das suas vidas. Foram casos extremamente dolorosos, que me deixaram marcas até hoje.

ATENÇÃO: não sou contra uma boa alimentação, pelo contrário, e no nosso espaço, na casa escola António Shiva servimos um variado tipo de dietas, desde a crudívora à mediterrânica, passando pela vegetariana, vegan, hindu ou goesa. Eu, que também tinha aprendido na escola superior de medicina natural que a saúde entrava pela boca, rapidamente percebi que isso era assim…, mas não era bem assim.

O que pretendo dizer com isto?

Quando se está bem, o nosso corpo não pede alimentos tóxicos, quer alimentos que mantenham essa boa disposição. Só quando nos encontramos emocionalmente mal é que existem os exageros alimentares e por consequência a intoxicação (envenenamento).
Mas tem mais…, Muitas vezes fico com a sensação que me encontro mergulhado na mais profunda ignorância, quando tratamos ou tentamos tratar o corpo como ele fosse um saco de carne sem inteligência. Como não fosse ele quem melhor sabe como fazer. Todos os que estudaram Hipócrates (ATENÇÃO, não os que fizeram o juramento de Hipócrates), sabem que só podemos ajudar o corpo a curar-se facilitando o seu trabalho de recuperação.

Como…? Limpando-o (desintoxicando venenos emocionais e físicos, exercício e ar livre) e repondo carências (nutrientes, minerais e vitaminas)…, tudo o que se fizer além dessas duas ações é mutilar e envenenar.
Quanto aos alimentos bons ou maus eu vou escolher mais duas das várias passagens bíblicas (hoje deu-me para isto) que falam do alimento.

Em Timóteo 4:4,5 “Pois tudo o que Deus criou é bom, e nada deve ser rejeitado, se puder ser recebido com ações de graças”. E fecho com Tito 1:15 que resume tudo que quis dizer neste artigo : “Para as pessoas puras, tudo é puro; no entanto, para os corrompidos e descrentes, nada é puro; pelo contrário, tanto a razão quanto a consciência deles estão pervertidas”.
Não o canso mais, gostava de falar da obsessão por alimentação saudável, mas fica para uma próxima, o artigo já vai longo. Recordo que lembro sempre os meus clientes que o estômago não é um “caixote do lixo”, mas não posso pactuar com dietas que somente esgotam e desequilibram o organismo. Um corpo só pode ser são se a mente estiver sã.

Mas também gostava de ter a sua opinião e o sentimento que este artigo lhe despertou. Eu só partilhei a minha experiência, porque não partilha a sua?

Incondicionalmente disponível,
António Teixeira Fernandes

Pin It on Pinterest