pedagogia da casa escola antónio Shiva

Nos últimos tempos muito se tem escrito e falado sobre física e mecânica quântica e a sua aplicação no quotidiano. Apesar de uma mente materialista não ter possibilidades de interpretar minimamente estes princípios, neste artigo vou ter mais uma vez a pretensão de abordar alguns princípios da mecânica quântica, para, de uma forma singela, ilustrar formas mais abrangentes de nos enxergarmos e enxergarmos o mundo à nossa volta.

Foi no último século do milénio passado que surgiu a física quântica, a ciência que está a revolucionar o mundo com o estudo do movimento dos átomos e suas partículas. Essa nova visão científica (que na verdade de novo pouco tem,) deita por terra todos os conceitos materialistas (Newtoniano/Cartesiano) sobre a realidade e dá origem a uma nova era. Assim como o domínio do fogo e a invenção da roda deram origem a novas eras na história da humanidade, também os princípios da física quântica impulsionarão a humanidade para uma realidade até aqui desconhecida. Apesar da física moderna ser clara, simples e acessível a qualquer criança, quando se quer entender através de um conceito dualista ou materialista ela se torna inacessível. Porquê?

Observemos; na humanidade predomina o conceito materialista/dualista, em que o ter predomina em relação ao ser. Esta dominância prevalecerá até que haja um número suficiente de pessoas com a mente suficiente aberta para acatar os princípios da moderna física quântica, também conhecida pela física das possibilidades. A predominância do ter deve-se essencialmente à ignorância incutida pelos já obsoletos princípios da velha física clássica e na “impossibilidade” que uma mente treinada nessas ciências exatas tem em conceber possibilidades infinitas dentro de um único acontecimento.

Então vejamos de outra forma; enquanto a física clássica nos apresenta princípios e ferramentas para calcular distância, tempo, peso, força, velocidade, stress, etc…, a física moderna através do princípio da incerteza e do famoso “efeito observador” demonstra-nos que o simples facto de observar transforma possibilidades quânticas (concebíveis) em realidades na vida do observador. Assim em vez da rigidez da física clássica, suporte de uma sociedade socioecónomica debilitada e doente, temos a flexibilidade e o poder transformador da física moderna, para nos transformar e modificar as instituições sociais, económicas e políticas, e dar lugar a um novo homem, uma nova humanidade.

As partículas do átomo são vistas como ondas de possibilidades, pois podem estar ali, aqui e acolá, inclusivamente em vários lugares simultaneamente. Se agarrarmos como exemplo de partícula subatómica o fotão, através da velha experiência da dupla fenda, ficamos a saber que tanto se comporta como partícula, como se comporta como onda. Essa dupla característica, é designada pelos físicos da nova era “dualidade onda-partícula” e uma coisa não funciona sem a outra. Se enxergarmos através dos princípios exatos da física clássica, esta afirmação seria contraditória. Mas experiencias científicas, repetidas milhares de vezes em laboratório, comprovam que uma partícula subatómica ao ser observada sofre a interferência do observador tanto pode parar, mudar o movimento ou mesmo o rumo. Ou seja, o observador é capaz de interferir no rumo da partícula e alterar a realidade do mundo quântico, embora não tenha controlo sobre o que vai acontecer.

Ciente do mundo de possibilidades infinitas (mundo subatómico) e convicto do poder do “efeito observador” entra-se num novo paradigma em que o material manifesta o espiritual.

Saber que tudo é átomo, e átomo é onda e partícula simultaneamente, e que uma não existe sem a outra de pouco, ou nada serve, enquanto não limparmos a mente dos preconceitos materialistas.

Uma mente quântica, é uma mente liberta de apegos a conceitos (preconceito). Pura para abranger todas as possibilidades e podermos ser donos e desenvolvedores do nosso livre-arbítrio. Apesar de sempre nos ter sido anunciado o livre-arbítrio, dentro dos conceitos clássicos ele não poderia ser usado. Não há direito de escolha. Mas com a física quântica temos o direito a possibilidades infinitas de escolha e podemo-nos libertar sempre de hábitos nocivos criadores de ansiedade, carência, depressão, stress, doença etc., através de uma inter-relação cósmica, que os cientistas chamam de não localidade quântica. Por outras palavras a moderna física quântica fornece ao observador possibilidades infinitas, para nos mudarmos a nós mesmos, realizarmo-nos e contribuirmos para a mudança da sociedade atual.

Como é que funciona (como é possível)?

Na realidade quântica, uma partícula pode influenciar outra partícula. Ficou provado pela física moderna que um elétron pode influenciar outro elétron quando sofre a intervenção do observador. E o mais aliciante é que isso pode ocorrer à distância. Os cientistas, comprovaram em laboratório que o simples ato de observar ativa a interação e a comunicação dos átomos entre si. De uma forma mais simples o observador provoca uma ação em cadeia, quando perante uma determinada situação ou acontecimento, opta por uma possibilidade. Mas o mais relevante é que não existe distância. Não importa o local onde nos encontremos (local onde escolhemos uma dentro de um universo infinito de possibilidades) para a possibilidade escolhida ser realizada. Por exemplo: perante o anúncio de um desemprego, a perda de um negócio ou a avaria do automóvel ou mesmo de uma doença, a forma como é observada pelo próprio, assim será o resultado final. E se nesse ato de observar o acontecimento ou situação, precisar da intervenção de átomos na China, Japão, Rússia, ou mesmo fora do planeta ou do sistema solar, não existe distância entre partículas. A esta ação a ciência dá o nome de “entrelaçamento de onda”.

Como com este conhecimento é possível melhorar (interferir) a realidade?

Se pensarmos no quotidiano dentro destes conceitos quânticos, podemos exercer uma correspondência e ao mesmo tempo uma aplicação desses princípios. Vejamos o nosso corpo é composto de átomos, assim como tudo que existe visível ou invisível, incluindo os pensamentos claro. Perante esta verdade científica, e se através do ato de observar o ser humano é capaz de alterar a realidade microcósmica, também posso alterar a minha realidade através de um pensamento criativo e de uma atitude proativa e positiva perante mim e o  mundo que me rodeia. A verdade é que a realidade que cada um de nós experimenta resulta da forma como nos vemos, como vemos o mundo e vemos os outros. Por outras palavras, a nossa realidade reflete os nossos pensamentos, sentimentos, emoções e ações. Se não me sinto realizado na minha realidade, preciso mudar a forma como me vejo, vejo o meu trabalho, os meus vizinhos, políticos, instituições etc.

Se desejo receber beleza, bem-estar, abundância, alegria, felicidade, da vida, preciso dar tudo isso ao mundo. Acreditar que tudo o que eu dou ao mundo o mundo me devolverá. Da mesma forma que que uma partícula subatómica é influenciada no seu trajeto pelo observador, também qualquer um nós, pode mudar a sua realidade, quando mudamos a nossa atitude reativa para uma postura proativa.

Exemplo de uma atitude reativa: eu fazendo parte do povo Português e reclamar dos corruptos, dos políticos ou do cão do vizinho, lamentando-me, culpando-os ou mesmo denunciando nas redes sociais, ou por outros meios, posso mudar a minha atitude reativa para proativa, responsabilizando-me pessoalmente por essa realidade.  Se está na minha realidade eu sou responsável. Não sou o autor, mas sou responsável. Quando julgo, crio mais do que o que estou a julgar. Assumindo a responsabilidade, altero essa realidade. Se desejamos despertar o melhor em nosso mundo, precisamos pensar, falar, sentir e desejar o melhor para todos. Precisamos acreditar que o mundo tem o melhor para nos oferecer e esperar com certeza e autoconfiança.

Perante os princípios da moderna física quântica, é urgente desenvolver o princípio integral da realidade e do papel ativo do ser humano, no bem-estar pessoal e coletivo.  Cada um é responsável pela sua realidade. Somos todos um. O cosmo funciona como uma grande orquestra em que a interligação dos instrumentos faz a melodia. Nada acontece por acaso. Nada é fruto da sorte ou do azar, tudo obedece à forma de observar, “entrelaçamento de onda”.

O Mundo já mudou, é urgente integrarmo-nos na nova era, como ativistas responsáveis…, e na liberdade do livre-arbítrio, concedida pela nova ciência, navegarmos em soluções perfeitas e criativas, em vez de continuarmos afundados no mar de problemas que entram pelas nossas vidas a dentro, através dos mais variados órgãos de comunicação.

António Teixeira Fernandes

Ao subscrever para receber as novidades de António Fernandes, concorda que os seus dados sejam processados conforme indicado na Política de Privacidade e toma conhecimento que pode revogar o seu acesso a qualquer momento.

Pin It on Pinterest