A consciência cria realidade

O principal propósito deste artigo não é adicionar mais informação ao que já conhece nem tentar convencê-lo de alguma coisa, a intenção é alertar para a diferença entre expandir a consciência e o despertar para um novo paradigma.

Hoje vamos utilizar de novo os princípios abrangentes da ciência moderna não numa toada informativa, mas dentro de uma perspetiva prática.  

O observador dita a realidade através da própria consciência. Apesar de Jesus, Buda e todos os mestres conhecidos já nos terem mostrado com clareza que a consciência cria a realidade, isto nunca foi entendido nem mesmo pelos seus discípulos, que os acompanhavam diariamente ao longo de anos. Será que agora estamos mais preparados que há 2000 anos?

 Claro que sim. E a nível do conhecimento (teoria) a maioria já tem essa informação… e a nível da interação já faz parte da rotina diária de 80% da população mundial.

Então porque razão continua a aumentar vertiginosamente o sofrimento no mundo, com depressão, pobreza, ansiedade, cancro diabetes etc.?

Aqui reside o verdadeiro objetivo deste alerta. Enquanto se encher a mente de informação e não se despertar para uma consciência para lá da ilusão dualista da matéria, o que traria prazer, felicidade, alegria e bem-estar, torna-se gerador de dor, doença, infelicidade e sofrimento. Essa é razão porque diariamente oiço dizer que: “tenho tudo para ser feliz e vivo em sofrimento”.

A consciência cria realidade! Esta é a grande revelação da ciência moderna, bradada aos quatro ventos: “a consciência cria a realidade” a nova ferramenta que liberta a humanidade para a nova era.

Com esta afirmação de que “a consciência cria realidade” são abertas infinitas questões. Mas vou responder às que são postas com mais frequência, nas palestras e workshops.

O que elucida o observador?

 A consciência.

 O que é a consciência?

A consciência inclui tudo o que está na nossa realidade, o que aceitamos como certo ou errado. Define a maneira como percebemos o nosso mundo a e forma como pensamos, sentimos e agimos etc.

A realidade que alguém ou qualquer um de nós experimente não resulta de nada exterior, mas da forma como se consegue observar o mundo exterior através da própria consciência, “o céu e o inferno” são uma única coisa, depende de cada um criar o quer com a própria consciência. Por exemplo: ansiedade, depressão, insegurança social, insegurança profissional e vocacional ou económica, além de todas as doenças chamadas crónicas e que a OMS chama de psicossomáticas, resultam sempre do ato de observar e são criadas no observador, através da consciência do observador.

Logo que se muda a consciência muda-se a realidade. Por essa razão se sabe que todas as doenças crónicas têm recuperação.

Normalmente surge esta questão: “será que o homem moderno está preparado para a mudança de consciência”? Ou esta; “se Jesus, Buda e outros tentaram e não conseguiram nem alargar a consciência dos seus discípulos como é que conseguiremos agora mudar?

Não se trata de opção. Que o digam todos que “optaram” ou foram induzidos a aliviar a ansiedade com drogas em vez de alterarem a consciência.

Qualquer um de nós sabe que a verdade de há 10 anos não é verdade hoje…, e que a consciência está sempre em expansão. Mas a dificuldade deve-se ao paradigma dualista materialista já inútil e obsoleto onde assenta o sistema vigente.

Os sinais do despertar

Na verdade, ainda temos a tendência de justificar com a consciência coletiva, manifestada na aldeia global em que nos movemos e que nos amarra a preconceitos que funcionam para defesa do sistema. Mas na verdade começamos a despertar para a ideia de que somos nós que impomos esses preconceitos a nós mesmos, para sermos inseridos nos limites acanhados da normalidade. E aí a luz começa a penetrar nas trevas…, e um novo observador desperta,

Concluindo…

A consciência de Jesus e outros mestres não era seletiva nem obedecia a preconceitos. Estava para lá da fragilidade do paradigma materialista dualista. O “novo paradigma” que de novo pouco tem, é inclusivo, inclui o ser humano no todo; reconhece a espiritualidade (onda/partícula) da matéria, libertando-nos do preconceito dualista  separatista limitado da normose.

Finalizando…

O Ativista da Nova Era tem como meta a recuperação e transformação pessoal, influenciando com a sua ação a aldeia global onde se movimenta. Para isso tornou-se um praticante dos princípios transformadores da física quântica e do novo paradigma. Não dando aso a comentários como este: “Tenho tudo para ser feliz e vivo em sofrimento”

Se quiseres continuar a acompanhar e a interferir de uma forma ativista na mudança da realidade que experimentas vem participar nas palestras on line todas as quartas feiras com entrada livre abertas a todos. http://ativistadanovaera.ning.com/

Ou informa-te dos cursos e retiros que têm como função o despertar para uma nova consciência. http://convencao.solucaoperfeita.com/retiros-de-transformacao/

Incondicionalmente disponível,

António Teixeira Fernandes

Holler Box

Pin It on Pinterest