viver

Recebo diariamente dezenas de emails de homens e mulheres das mais variadas condições e estratos sociais: Como me libertar de determinada droga dura? Apesar de 99 % dos pedidos de ajuda referirem-se a drogas legais receitadas por agentes autorizados da industria química, a questão é igual para todos. Quer viver ou quer que a vida seja do seu jeito? Se com esta questão o usuário da droga desperta para a realidade e escolhe viver, deixou de precisar de droga.

As drogas legais ou ilícitas são alteradoras de humor, usadas para não se viver a vida tal como ela se nos apresenta (em casos súbitos de extrema violência causadores de descontrolo, as drogas legais são extremamente úteis); ou melhor, foram criadas exatamente para esse fim.

Perante esta realidade, surge uma questão que necessita urgente resposta. Porque é que (segundo a OMS) 1/3 da população da sociedade moderna é usuário de ansiolíticos e antidepressivos?  Porque 33% de nós prefere drogar-se do que viver a vida em pleno?   As causas estarão em cada um de nós, não é culpa do sistema político, da droga, ou da industria da doença. Nem tão pouco motivado pelo caduco sistema de ensino (educação) ou da degradação do capitalismo e da democracia, a precisarem de urgente reciclagem. A chegada a este caos existencial, em que 1/3 do corpo da humanidade reside ao lado da vida usando alteradores de humor, dá que pensar.

E não queiramos tapar o sol com a peneira, justificando ou responsabilizando outros. A responsabilidade é de cada um de nós…, a matéria com a humanidade é feita. Quem usa a drogas para não sentir (vida), e se encontra dependente é o menos responsável pela falta de capacidade imposta pela droga. E é preciso ter-se consciência que por não usarmos drogas dura legais ou ilícitas, não significa que estejamos mais lúcidos.  Há mais formas de nos alienarmos e deixarmos que a vida nos passe ao lado. Mas hoje a mensagem destina-se a alertar todos que estão a passar por contrariedades que abram a mente e que decidam se querem viver ou que a vida seja do seu jeito.

Viver ou querer que a vida seja a seu jeito?

Viver é entrar no fluxo. É acordar a cada dia e, na expectativa, perguntar: o que é que a vida terá para me oferecer de bom hoje? Esta foi a postura que adotei quando conheci as experiências dolorosas do inferno existencial. O resultado foi maravilhoso, primeiro fui resgatado do inferno e de seguida conheci e instalei-me no fluxo da vida maravilhosa. Aproveitando sempre o melhor que sei cada dia totalmente novo que me é apresentado todas as manhãs. Há quem pense que é magia, outros que sou um sortudo, outros pensam que este mundo não existe. Havia outros, que infelizmente já cá não estão, que no princípio diziam: “isso é uma nuvem cor de rosa que ao fim de algum tempo acaba. E depois a frustração é bem pior”. Quando ouvia esses comentários, eu pensava até pode ser verdade, mas ninguém me vai impedir de viver esta experiência paradisíaca. O tempo foi passando e um dia tinha percebido que 10% da minha vida já tinha sido passada no paraíso. Os dias, um de cada vez foram acontecendo e dei com ¼ da minha vida neste estado de felicidade paz e amor agora prestes completar 1/3 da minha existência, tenho pena que já não estejam presentes nesta dimensão quem dizia que este bem-estar iria acabar. Mas quero concluir somente com este pensamento. Mesmo que o bem-estar como eu o sinto acabe neste momento, eu pude experimentar o verdadeiro inferno e o verdadeiro paraíso na minha existência. E doutra forma somente teria experimentado o inferno.

A pergunta é simples e clara; quer viver ou quer que a vida seja do seu jeito?

Com amor até já…, aguardo que participes com questões e comentário e experiências na palestra online dia 8 de novembro de 2017

Sabe mais detalhes sobre a palestra clicando aqui: http://ativistadanovaera.ning.com/events/palestra-online-como-acertar-o-passo-e-entrar-na-danca-da-vida

António Fernandes

Pin It on Pinterest

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a navegar no nosso site consente a utilização dos mesmos. Saiba mais sobre os cookies aqui

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close