Benzodiazepinas

“Maldita cocaína que roubaste o meu amante”

Eugénia Melo e Castro

A humanidade atravessa a época mais fascinante e gloriosa da sua existência, ao mesmo tempo que se encontra mergulhada na apatia existencial.

Apesar de a cada instante a humanidade ser surpreendida com descobertas fascinantes de belezas deslumbrantes, vive mergulhada na tristeza que alterna com uma euforia psicótica. Num caminho de picos e vales passa ao lado duma vida promissora e maravilhosa, que não tem capacidade de enxergar.

Muitas seriam as justificações para esta estranha realidade. Mas hoje precisamos falar do flagelo que está a arruinar homens, mulheres e crianças de todas as raças, credos e extratos sociais.

Acredito sinceramente que a propagação desta calamidade teve origem num plano inocente e bondoso, por parte de seus promotores.

Estamos a falar de Benzodiazepinas (BZD) drogas legalmente receitadas livremente por agentes da indústria da doença.

Apesar de existir uma lista de muitas centenas de drogas registadas que levam em sua composição BZD, com consequências mais ou menos nefastas, este artigo não tem como propósito entrar nesses pormenores para não induzir a erros. Nem tão pouco dizer mal seja do que for.

A única intenção deste artigo é informar e ajudar a esclarecer dúvidas que me são postas diariamente.

BENZODIAZEPÍNICOS: O QUE SÃO E COMO SURGIRAM?

As benzodiazepinas foram descobertas nos inícios dos anos sessenta, renascendo assim a esperança de acabar com as cruéis salas de terapias psiquiátricas (eletrochoque), que mais não são que salas de tortura dum campo de concentração. Além desta importante vantagem também substituíam os velhos barbitúricos e outros tipos de sedativos hipnóticos usados desde os anos quarenta.

Tudo isto era muito animador e teria certamente sido de grande de grande utilidade para o doente psiquiátrico sempre tão mal tratado e desprezado nos vários campos de concentração espalhados pelo mundo que chamamos manicómios.

Como é que uma droga com poder tão dopante, que tinha sido criada para as Urgências Psiquiátricas, chega às farmácias e ao protocolo de um vulgar e impreparado agente da indústria da doença?

Voltemos aos anos sessenta por uns momentos:

Corriam os gloriosos anos sessenta das grandes revoluções culturais. João XXIII  abre as portas da liberdade ao mundo. Os mais variados movimentos de libertação iniciam a sua caminhada. Povos colonizados revoltam-se contras os colonizadores. Inicia-se o movimento de emancipação feminino que revolucionou o planeta (cresceu mais o planeta nos últimos sessenta anos que nos últimos 2000, graças à emancipação feminina). O movimento Hippy, que alastrava por todo o planeta e criava uma nova humanidade, foi prontamente desacreditado e dizimado, pois semearam e desenvolveram o consumo de droga dentro das suas estruturas mundiais.

Sopravam os ventos da mudança e sentia-se que a hora de a humanidade concretizar a sua verdadeira dimensão ser feliz tinha chegado.

Os que detinham o poder perdiam o controlo e era urgente desacreditar esses movimentos antes que se tornassem uma bola de neve de dimensões incontroláveis.

Como infelizmente nesse tempo, assim como agora nas mentes mais perversas, os fins justificam os meios, a oportunidade não podia ser desperdiçada.

E assim a indústria da doença e seus agentes ganhavam o controlo do planeta, ao difundirem essa droga tão poderosa a que deram o nome de “CALMANTE” (BDZ) e os sistemas instituídos, prestes a perder o controlo, teriam sobre dominação hipnótica os seus contribuintes.

Agora que já sabemos como é que essa terrível droga foi difundida vamos falar um pouco das suas várias ramificações.

As Benzodiazepinas encontram-se camufladas nos mais variados tipo de medicamentos que vão desde alguns xaropes infantis para a tosse até uma grande parte dos analgésicos que se compram em qualquer supermercado.

As moléculas mais comercializadas de BZD e indicadas pela ordem de curto, médio e longo-prazo são: Alprazolam (não indico nome comercial para não publicitar veneno), Clonazepam; Clordiazepóxido; Diazepam; Lorazepam; Midazolam; além de muitos outros.

O que alguns agentes dizem… Mas é mentira.

As (BZDs) Diminuem a ansiedade – relaxam músculos – auxiliam um bom sono.

Na verdade, as (BZD), somente drogam (dopam, efeito hipnótico) nada mais.

Sobre um efeito hipnótico, acredita-se que se dorme. Sobre uma diminuição do estado de alerta, tem-se a ilusão de relaxamento muscular.

 

As (BZD) são simplesmente droga. NÃO TÊM EFEITO TERAPÊUTICO.

Sobre a Ansiedade e as (BZD)

Apesar de alguns agentes do sistema chamarem as BZD de tranquilizantes ou de ansiolíticos por terem a propriedade de dopar as pessoas descontroladas e ansiosas, na verdade, os efeitos jamais são terapêuticos. Por essa razão o seu uso nunca deva ser fora de um quadro de SOS, situação em que a falta de controlo da pessoa ponha em risco a sua própria integridade física assim como a integridade física de terceiros.

A prescrição do seu uso contínuo, por parte de um agente do sistema, é uma atitude irresponsável que normalmente leva o seu usuário à dependência.

Apesar dos alertas da OMS e do esforço de algumas pessoas responsáveis pela qualidade de vida, o mundo moderno encontra-se mergulhado na droga, cego e perdido.

As (BZD) e o sono de Qualidade.

Alguns agentes chama as BZD de hipnóticas por induzirem sono nas pessoas que têm dificuldades de dormir. Este não é um sono reparador, é um estado hipnótico, que ao ser usado mais que 3 dias seguidos, pode levar o seu usuário a graves problemas de dependência, assim como o degradar metabólico do organismo enquanto mergulhado nessa dormência.

É preciso lembrar que o uso de BZD é considerado pela OMS como caso de saúde pública. Apesar dos agentes da doença serem os grandes responsáveis por tal flagelo ou porque não estão preparados cientificamente ou porque obedecem a diretrizes da indústria do qual são seus fiéis representantes.

Chegou a hora de nos responsabilizarmos pelo próprio bem-estar. Não podemos mudar o passado, assim como não podemos mudar o sistema implementado, mas podemos mudar a nossa atitude perante a vida e criar o bem-estar que cada um de nós merece.

Para terminar é preciso reforçar que existem no mercado português muitas centenas de marcas de químicos que têm BZD, em sua composição, provenientes de pelo menos de 12 moléculas diferentes de BZD.

Muito há ainda para dizer sobre as BZD, mas penso que a informação pouco poderá ajudar que sofre os horrores da sua dependência. O importante é dar a conhecer que há uma solução perfeita para cada problema.

Se te encontras escravo desta substância e queres recuperar a tua liberdade, pede ajuda.

Se vives na ansiedade, não uses drogas, a não ser em SOS, pede ajuda para saíres desse beco.

Se sofres de insónias, existe por detrás um motivo. Não te drogues, não adies a tua vida. Não queiras resolver um problema enganando-te e criando um problema bem pior com o uso de drogas que te levam à escravatura.

Em qualquer caso tens ao teu dispor ajuda 24 horas por dia.

  1. Por favor se não queres uma verdadeira solução para a tua vida, sê minimamente responsável não uses este endereço para não prejudicares os utentes que estão em sofrimento e querem respirar o ar da liberdade.

António,  incondicionalmente disponível.

Fale comigo: http://antoniofernandes.solucaoperfeita.com/fale-comigo/

Pin It on Pinterest