Nota: Este artigo não oferece aconselhamento médico, nem recomenda técnicas de tratamento para males físicos, emocionais sem conselho médico, direto ou indireto. O autor pretende apenas oferecer informações de natureza geral, úteis na busca de bem-estar físico, emocional, mental e espiritual. Nem o autor nem os colaboradores são responsáveis pelo uso das informações aqui apresentadas. Os utentes têm à sua disposição orientação gratuita na “Saúde Integral tem a Solução”.

Esta questão é-me posta, todos os dias, várias vezes. Perante esta questão sinto-me frustrado, impotente e angustiado. Porquê? Frustrado porque se o usuário da droga está dependente fisicamente dela, o desmame é perigoso, cruel e muitas vezes fatal. Se não existe dependência da droga, quando se deseja parar a droga para-se sem qualquer problema. O desmame aplicado numa dependência, como a dependência de uma benzodiazepina, leva o organismo a uma exaustão que pode ser fatal, ou levar meses a recuperar ou mesmo nunca recuperar totalmente.  Impotente porque só o agente da indústria da doença que receitou o sedante, tem autoridade para o retirar, mesmo que não exista qualquer efeito terapêutico, como é caso destas drogas sedantes. Qualquer sugestão honesta e responsável dada publicamente que vá contra esta “barbárie instituída”, é punido impiedosamente pelo inquisidor do sistema.  Angustiado porque a cada dia que passa aumenta o número de pessoas que perdem a vida, em favor da droga.

Este artigo não tem a intenção de denunciar seja o que for, e muito menos incentivar alguém a deixar a droga sem o auxílio do profissional que o sedou. Pelo contrário a intenção é dar uma informação que pode salvar vidas. Antes informar que “curar”, porque depois de um desmame levar um organismo à exaustão, além das prováveis sequelas, a recuperação vai depender da vida que ainda restar no organismo.

Eu vou explicar porque é perigoso ou desumano desmamar uma droga da qual o organismo está dependente.

Quando uma droga tem o poder de se adicionar ao organismo, como é o caso da benzodiazepina, conhecida pelo vulgar calmante, embora haja quem lhe chame ansiolítico… o organismo depois de dependente, vai reclamar a droga durante algum tempo (a esse processo é dado o nome de compulsão física), atingindo o topo dessa compulsão física normalmente às 72 horas após o seu tempo de ação. Após as 72 horas, os resíduos da droga mantêm-se no organismo e a compulsão física é cada vez mais fraca até desaparecer totalmente e o corpo ficar 100% desintoxicado da droga em causa. Este processo é comum a todas as drogas, embora a variação de permanência no organismo seja diferente de droga para droga.

Como curiosidade podemos afirmar que a cocaína permanece 4 dias no organismo; a heroína 6 dias no organismo, o álcool “de um alcoólico”, não de um bebedor social, 12 dias; a benzodiazepina varia dos 12 aos 21 dias ou mais dependendo da família a que ela pertença.

Porque é que o desmame é cruel, desgastante e muitas vezes fatal? Porque o reduzir a droga, vai ativar a compulsão física, que se vai perpetuar por todo o processo, levando o organismo à exaustão através de um desgaste cruel e desumano. Muitos são os casos em organismos mais debilitados em que a recuperação física nunca mais é restabelecida. E neste momento tenho vários casos em mão de pessoas agarrados a cadeiras de rodas há mais de seis meses e não há previsão de restabelecida a sua vida profissional e social.

Antes educar que drogar

Apesar da benzodiazepina ser uma droga extremamente útil, criada para substituir a desumana eletroconvulsoterapia, também conhecida por eletrochoques, e ser usada em caso de crise aguda de surto psicótico, descontrolo etc…, reservada às urgências psiquiátricas, ela acabou fazer parte da higiene diária de biliões de pessoas no mundo.

Como se pode ajudar quem vive em ansiedade ou sofre de insónias? Nada acontece por acaso. Ansiedade é medo sem objeto. O mesmo é dizer que a pessoa tem medo do que não existe. Será que esse facto justifica que a pessoa seja sedada? Em caso de crise aguda sim, em SOS… o que pode causar medo sem razão? Conceitos preconcebidos que já não se encontram atualizados. Insónia – o que leva a uma noite mal dormida? Preocupação? Um episódio desagradável que se está a viver?  Demasiado tempo na cama? Seja o que for tem sempre uma solução perfeita e criativa, em vez de sedar deixando de sentir o evento.

Tanto para a ansiedade como para a insónia, as duas portas por onde se entra no mundo legal da toxicodependência, existem soluções infinitas que além de valorizarem e realizarem o individuo, libertam-no justamente das crenças limitantes que impedem que os seus desejos sejam realizados. A maioria das pessoas não sabe nem consegue enxergar que a ansiedade é produzida pelas crenças limitantes que impedem o crescimento.

Apesar de saber que todos fazemos o melhor que sabemos e podemos, é urgente educar em vez de dopar. O mundo precisa de homens e mulheres sóbrios, realizados e felizes, para educar as nossas crianças e prepará-las para um mundo de abundância, paz e amor, não de uma multidão de zumbis dependentes de drogas duras, vagueando pelo mundo sem vida.

Não quero alongar mais este alerta, mas não posso me despedir de vós que me acompanharam até aqui sem primeiro apelar aos profissionais autorizados a receitar estas drogas a avaliar bem os benefícios e prejuízos antes de dopar quem vai de coração aberto e confiantemente a procura de uma solução para sua realidade.

“A vida é impossível sem mudança, quem não pode mudar a mente, não pode mudar nada.”

António Fernandes

Holler Box

Pin It on Pinterest