“Tenho tudo para ser feliz e vivo em sofrimento ”

“Tenho tudo para ser feliz e vivo em sofrimento ”

A consciência cria realidade

O principal propósito deste artigo não é adicionar mais informação ao que já conhece nem tentar convencê-lo de alguma coisa, a intenção é alertar para a diferença entre expandir a consciência e o despertar para um novo paradigma.

Hoje vamos utilizar de novo os princípios abrangentes da ciência moderna não numa toada informativa, mas dentro de uma perspetiva prática.  

O observador dita a realidade através da própria consciência. Apesar de Jesus, Buda e todos os mestres conhecidos já nos terem mostrado com clareza que a consciência cria a realidade, isto nunca foi entendido nem mesmo pelos seus discípulos, que os acompanhavam diariamente ao longo de anos. Será que agora estamos mais preparados que há 2000 anos?

 Claro que sim. E a nível do conhecimento (teoria) a maioria já tem essa informação… e a nível da interação já faz parte da rotina diária de 80% da população mundial.

Então porque razão continua a aumentar vertiginosamente o sofrimento no mundo, com depressão, pobreza, ansiedade, cancro diabetes etc.?

Aqui reside o verdadeiro objetivo deste alerta. Enquanto se encher a mente de informação e não se despertar para uma consciência para lá da ilusão dualista da matéria, o que traria prazer, felicidade, alegria e bem-estar, torna-se gerador de dor, doença, infelicidade e sofrimento. Essa é razão porque diariamente oiço dizer que: “tenho tudo para ser feliz e vivo em sofrimento”.

A consciência cria realidade! Esta é a grande revelação da ciência moderna, bradada aos quatro ventos: “a consciência cria a realidade” a nova ferramenta que liberta a humanidade para a nova era.

Com esta afirmação de que “a consciência cria realidade” são abertas infinitas questões. Mas vou responder às que são postas com mais frequência, nas palestras e workshops.

O que elucida o observador?

 A consciência.

 O que é a consciência?

A consciência inclui tudo o que está na nossa realidade, o que aceitamos como certo ou errado. Define a maneira como percebemos o nosso mundo a e forma como pensamos, sentimos e agimos etc.

A realidade que alguém ou qualquer um de nós experimente não resulta de nada exterior, mas da forma como se consegue observar o mundo exterior através da própria consciência, “o céu e o inferno” são uma única coisa, depende de cada um criar o quer com a própria consciência. Por exemplo: ansiedade, depressão, insegurança social, insegurança profissional e vocacional ou económica, além de todas as doenças chamadas crónicas e que a OMS chama de psicossomáticas, resultam sempre do ato de observar e são criadas no observador, através da consciência do observador.

Logo que se muda a consciência muda-se a realidade. Por essa razão se sabe que todas as doenças crónicas têm recuperação.

Normalmente surge esta questão: “será que o homem moderno está preparado para a mudança de consciência”? Ou esta; “se Jesus, Buda e outros tentaram e não conseguiram nem alargar a consciência dos seus discípulos como é que conseguiremos agora mudar?

Não se trata de opção. Que o digam todos que “optaram” ou foram induzidos a aliviar a ansiedade com drogas em vez de alterarem a consciência.

Qualquer um de nós sabe que a verdade de há 10 anos não é verdade hoje…, e que a consciência está sempre em expansão. Mas a dificuldade deve-se ao paradigma dualista materialista já inútil e obsoleto onde assenta o sistema vigente.

Os sinais do despertar

Na verdade, ainda temos a tendência de justificar com a consciência coletiva, manifestada na aldeia global em que nos movemos e que nos amarra a preconceitos que funcionam para defesa do sistema. Mas na verdade começamos a despertar para a ideia de que somos nós que impomos esses preconceitos a nós mesmos, para sermos inseridos nos limites acanhados da normalidade. E aí a luz começa a penetrar nas trevas…, e um novo observador desperta,

Concluindo…

A consciência de Jesus e outros mestres não era seletiva nem obedecia a preconceitos. Estava para lá da fragilidade do paradigma materialista dualista. O “novo paradigma” que de novo pouco tem, é inclusivo, inclui o ser humano no todo; reconhece a espiritualidade (onda/partícula) da matéria, libertando-nos do preconceito dualista  separatista limitado da normose.

Finalizando…

O Ativista da Nova Era tem como meta a recuperação e transformação pessoal, influenciando com a sua ação a aldeia global onde se movimenta. Para isso tornou-se um praticante dos princípios transformadores da física quântica e do novo paradigma. Não dando aso a comentários como este: “Tenho tudo para ser feliz e vivo em sofrimento”

Se quiseres continuar a acompanhar e a interferir de uma forma ativista na mudança da realidade que experimentas vem participar nas palestras on line todas as quartas feiras com entrada livre abertas a todos. http://ativistadanovaera.ning.com/

Ou informa-te dos cursos e retiros que têm como função o despertar para uma nova consciência. http://convencao.solucaoperfeita.com/retiros-de-transformacao/

Incondicionalmente disponível,

António Teixeira Fernandes

Quando a ansiedade se instala o que fazer?

Quando a ansiedade se instala o que fazer?

 

A ansiedade é um estado de sofrimento progressivo sem causa física… avaliada como doença de sentimentos e emoções… no seu processo evolutivo, pode exibir picos que chamamos “crises de ansiedade”. A sua evolução progressiva leva o ansioso a um sofrimento atroz. 

Quais as soluções disponíveis para quem sofre de ansiedade?

Existem 3 “portas de saída” para quem mergulha na ansiedade.

A mais usada é a porta SOS,  que deveria somente ser usada em SOS, como a palavra indica.

A segunda mais usada é a gestão da ansiedade com técnicas com mais ou menos eficácia.

A terceira porta, sem dúvida a menos conhecida, e que transforma a ansiedade numa bênção ou a recuperação para uma nova consciência.

Vamos agora esclarecer como funcionam estas tês portas de saída…

Comecemos pela mais usada, a porta SOS. Esta porta é de um valor incalculável quando usada somente em SOS. Infelizmente muitas vezes o SOS, por falta de conhecimento de outras portas de saída, tornou-se permanente em milhões de casos, segurando e afastando o ansioso num ciclo vicioso, cada vez mais distante da própria vida…, muitas vezes essa ausência da vida, permanece por muitos anos. Quando isto acontece a solução perfeita para recuperação da própria vida, passa por um programa criado caso a caso, por técnicos responsáveis e experientes.

A segunda porta mais conhecida e usada é a gestão de ansiedade. Aqui o leque é extremamente grande. Técnicas terapêuticas, que vão desde a Fitoterapia à terapia Ortomolecular, passando pela meditação, EFT, Coach, ho oponopono, Hipnose clinica, reiki, terapêuticas quânticas, homeopáticas Ayurveda, hidroterapia, terapia do grito etc. etc. etc….  Apesar de se tratarem de técnicas valiosas, praticadas por técnicos honestos, conseguindo uma boa gestão de ansiedade e stress, o controlo não é suficiente para que a paz interior não esteja constantemente ameaçada, mantendo o indivíduo em constante tensão. Quem sofreu de ansiedade, apesar de poder conviver de forma aceitável com ela, consciente da própria vida, não atinge o seu propósito de nascença: a plenitude da missão cumprida e a alegria de ter contribuído para um mundo melhor para todos.

A terceira porta é a recuperação de uma nova vida, através da reciclagem dos velhos conceitos caducos, em princípios úteis e saudáveis para todos. Aqui quem sofre de ansiedade transforma o sofrimento numa bênção. Acedendo ao que a ciência moderna chama mundo paralelo… a ansiedade transforma-se em paz interior, certeza e autoconfiança.  Ansiedade nunca mais. Felizmente hoje a terceira porta está aberta para todos sem exceção, ao contrario de há 5 anos atrás… em que o seu acesso estava reservado a uma elite com dinheiro…

É natural que tenhas duvidas. Não hesites em colocá-las, não adies mais, nascestes para viver em paz interior, alegre e feliz mergulhado na abundância universal.

Aguardo as tuas duvidas e questões. Dá uma oportunidade a ti mesmo. Se tu não te a deres jamais alguém te a poderá dar…

Incondicionalmente disponível,

António

Ansiedade até QUANDO?

Ansiedade até QUANDO?

AVISO: antes de continuar quero esclarecer que não é nem nunca foi meu propósito denunciar ou relatar qualquer problema, sou uma pessoa ocupada e neste curto espaço procuro apresentar soluções para quem sofre, mergulhado no tenebroso mundo da ansiedade…  não pretendo filosofar e muito menos discursão filosófica… sou movido pelo espírito fraterno instituído no 1º artigo dos direitos humanos.

Agora que estamos esclarecidos vamos ao paradoxo.

A Humanidade vive a melhor e mais fantástica revolução conhecida da sua história. Vou só lembrar o porquê desta afirmação com alguns poucos exemplos: aplicações para telemóvel que facilitaram e melhoraram drasticamente a vida da população mundial, acabando com as filas intermináveis em repartições, ao mesmo tempo que se entra “a passo de corrida” na robotização da indústria, agricultura e serviços; numa altura em que impressoras 3D constroem uma casa em 24 horas e que drones transportam cargas e realizam tarefas agrícolas, facilitando o desempenho dos robôs; acabando pelas recentes descobertas por cientistas britânicos da conversão de luz em matéria… Mas apesar de todos estes sinais da chegada ao novo mundo, a OMS, autoridade certificada na matéria de saúde e bem-estar, revela números negros e assustadores  sobre a vida no planeta… 33% da população moderna sofre de ansiedade…

Como se explica tamanha contradição?

Quanto mais e melhor se tem, mais inseguro se está?

Ansiedade é medo sem objeto

Qual é a solução apresentada pelas autoridades responsáveis pela saúde e bem-estar para os 33% que sofrem de ansiedade, interferindo de imediato no bom funcionamento cardiovascular, digestivo e glandular, assim como em todas as áreas da vida, desde a social à profissional?

Infelizmente, a única solução que tem sido apresentada pelo órgão instituidamente aceite e gerido pela indústria da doença, é dopar com drogas viciantes, que pomposamente, essa mesma indústria dá o nome de ansiolíticos, entrando-se num caminho turbulento e nebuloso em que a saída na maioria das vezes é a toxicodependência…, a prisão cruel das sombras…
Será que a solução é drogar esta multidão de homens e mulheres, para não sentir a vida e viajar na sombra? Estamos a referirmo-nos a seres dotados de inteligência e fala-se de números assustadores… que rondam 1/3 da população… É bom refletir.
Nascemos seres livres com direito à vida. Uma pessoa drogada não é livre nem usufrui da vida…
Não sou contra a droga nem contra nada… e até penso que as benzodiazepinas foram uma descoberta maravilhosa para benefício da humanidade, quando usadas na proteção do indivíduo.
E como foi inicialmente afirmado, não é nem nunca foi minha intenção denunciar problemas ou entrar em controvérsias. O único propósito é mostrar outras opções, indo à real causa do problema.

É verdade que existem técnicas não convencionadas com que a ansiedade pode ser controlada. É um vasto universo de práticas terapêuticas, que podem ir do EFT até as técnicas meditativas ou mesmo às modernas frequências psicotrónicas e eletromagnéticas, além de outras… Mas apesar de todas elas realizarem uma diminuição da ansiedade e serem de grande importância, assim como os vulgares calmantes em SOS, não dão ao indivíduo a profunda realização e a plenitude existencial do momento.

Ansiedade é a semente para uma nova espécie humana, que revolucionará a face da terra. Toda esta revolução tecnológica, dá lugar a uma nova humanidade. E o estado ansioso deve-se ao facto de o indivíduo não conseguir lidar com a vida no ambiente (mundo) em que está inserido.
Por outras palavras, os princípios e valores espirituais aceites como válidos e outrora eficazes…, já não funcionam no momento presente…, reprimindo assim o indivíduo numa insatisfação geradora de mal-estar, a que damos o nome de ansiedade.

Como pode ser entendido de nada servirá uma droga ou uma técnica que acalme o mal-estar, a verdadeira solução está no melhoramento dos princípios e valores já existentes, o mundo já mudou, é preciso converter os princípios e valores que já não funcionam em princípios e valores válidos para o novo mundo, dando lugar à nova espécie que está surgindo no planeta.

E apesar de muitos pensarem que um novo mundo é uma ilusão utópica…, já ninguém pode parar esse poder em marcha.
Reciclar os velhos princípios não se trata de uma opção… é caso de vida ou morte… Assim como alguns répteis desenvolveram penas e asas e se transformaram em aves, desafiando a força da gravidade que os dominava, também a ansiedade vai elevar o ser humano à sua dimensão mais perfeita.
Vem conhecer a vida,
António

Como surfar a onda da transformação e realização

Como surfar a onda da transformação e realização

Transformação e realização - o que é preciso para se ter sucesso?

Introdução

Este curso pode mudar radicalmente a vida de qualquer um, mas o aluno precisa de boa-vontade, mente aberta e coragem para se desprender totalmente de tudo o que sabe e estar aberto a conceitos totalmente novos. Sem isso é impossível transformação e realização.

Compreender é sentir. Para entrar profundamente na transformação desapega-te já de tudo o que sabes. Não adianta saber que todas as possibilidades estão no mesmo lugar enquanto estamos agarrados a princípios que nos criaram algo que não queremos. Não interessa em que área ae nossa vida aparece o problema, logo que algo não esteja bem não existe harmonia em nenhuma das outras seis áreas da vida.

Desde já é preciso ficar bem claro, se não estás preparado para abrir mão do que criou o problema, este projeto de transformação e realização não é para ti. Não é para ti, porque ainda não queres usufruir da vida e realizar os teus objetivos neste mundo.

Embora o hábito não seja o monge o hábito faz o monge.

Como tudo começa

Desde muito novos somos educados a compreender intelectualmente, anulando assim o sentimento que cada coisa ou situação desperta no ser que habita num corpo ainda frágil em desenvolvimento. “De pequenino se torce o pepino”, diz o ditado popular…, para que a formatação seja facilitada mandamos os nossos filhos cada vez mais cedo para centros de formatação, para que na idade adulta sejam uma peça que se encaixe no puzzle.

Há alguns anos fui ao mercado a Beja e vi uma abóbora quadrada. Perguntei qual era o nome daquela espécie de abobora e o agricultor disse que quando a abóbora era ainda muito pequena foi introduzida dentro de um velho jerrican. A abóbora foi crescendo e ficando com o formato do molde que a comprimia. É dessa mesma forma que fomos moldados e que exigimos que os nossos filhos sejam moldados, para que sejam peças que se encaixem num determinado espaço.

Com esta pequena ilustração da abóbora do agricultor alentejano, vimos como foi fácil perdermos identidade. Mas o problema é que não somos vegetais abóboras, pepinos, melancias ou melões. Somos seres eternos, dotados de poder divino, que decidimos ocupar um organismo biológico e nos dão o nome de humanos.

Quais as implicações desta normalização?

Nada mais pode ser tão destrutivo para o ser humano do que o conceito de normalização aplicado ao ser humano. Para que uma normalização seja perfeita é preciso matar a razão porque decidiu vir a este mundo.

Quando a normalização acontece deparamos com um ser vazio de vida, um corpo sem espírito. Um ser alienado capaz fazer o que lhe indicam fazer.

É impossível qualquer verdadeira transformação ou cumprir a razão da nossa existência (realização), enquanto não retomarmos o contacto com o ser que ainda alimenta este corpo biológico que deveria ser o nosso veículo de realização e não uma peça no mecanismo de uma sociedade caduca e doente.

Precisamos saber que desde muito cedo entramos num processo de esclerose do ser, que nos foi invalidando, num processo contínuo de falso crescimento. Exteriormente até parece certo, porque crescer implica desenvolver-se e amadurecer; mas a questão é que não se trata nem de crescer nem de madurecer, bem pelo contrário. E quanto mais cedo entramos no velho processo educacional mais cedo ficamos alienados da vida, infelizes, frustrados e doentes.

E o que acontece quando uma criança não deixa que lhe roubem o ser?

Felizmente na minha geração ainda não existia a ritalina com que hoje drogam os nossos filhos quando reagem a quem lhes rouba a vida. No meu tempo eramos considerados marginais, rebeldes ou inaptos. Mas com o tempo lá nos fomos adaptando em alguns setores que não seja obrigatório cumprir ordens sem questionar. Em qualquer caso o resultado acaba sempre no vazio existencial.

Para se conseguir lidar com essa infeliz frustração, cedo começamos a usar drogas ilusórias, para conseguir iludir o vazio existencial, manifestado com a famosa e dolorosa ansiedade, depressão até pânico.

Como é possível criar tanto vazio e dor?

Não vivemos numa época em que a tecnologia nos mostra maravilhas, diariamente? A ciência moderna não nos prova cientificamente que vivemos num universo de possibilidades infinitas? Não existem recursos multimídia disponíveis com o poder de ajudar a nossa geração a evitar o sofrimento e alcançar a paz?

Tudo isto e muito mais é verdade. Então porque vivemos mergulhados no medo, inseguros e infelizes? Oi! Não adianta duvidar ou negar!… “O santo google” mostra quem povoa os consultórios e hospitais psiquiátricos.

Como reverter este estado de psicose hipnótica? Não seria coerente pretender dar uma solução aqui e estar em coerência com que foi escrito. Estaria a cometer um crime grave. Levar o leitor a usar as ferramentas com criou o vazio para preencher esse mesmo vazio existencial.  É preciso mergulhar-se no ambiente da recuperação para se aceder a realização. Foi por essa mesma razão que se criaram estes cursos em ambiente privilegiado, com acesso a todos que estejam prontos para encontrarem a vida perdida.

Se consegues sentir o que foi escrito; sabes que o vazio não se preenche com nada que esteja fora de ti, mas sim com o que foi retirado de ti. A razão pela qual nasceste.  É urgente sair da multidão de seres robotizados que se deslocam como zumbis, de um lado para o outro. Mortos num corpo que vive.

Continua…

http://cursoseworkshops.solucaoperfeita.com/curso-de-transformacao-e-realizacao-pessoal/

A vida espelha quem pensamos que somos

A vida espelha quem pensamos que somos

Como tudo começa

Seja o que for que esteja a acontecer no momento na vida de cada um de nós é simplesmente o reflexo da nossa consciência, tudo é um movimento de causa / efeito. Se o efeito está na nossa vida, a causa está na nossa consciência. Se as coisas não acontecem como esperado, se a vida se apresenta muitas vezes difícil e madrasta, se é sentido um vazio existencial, ansiedade ou inquietação… porque não parar e fazer a pergunta: porque fujo da vida? Porque resisto em vez de deixar que a vida aconteça?

Mas o mais engraçado é que conscientemente ou não todos sabemos que por mais voltas que queiramos dar tudo começa na nossa consciência. Tudo o que nos acontece em qualquer área da vida e tudo que acontece com o nosso corpo começa por alguma coisa que aconteceu na nossa consciência. A nossa consciência é quem habita o corpo físico e cria a realidade que cada um de nós experimenta neste momento. Na verdade, é a nossa experiência de Ser.

Seja o que for que esteja acontecendo na nossa vida, somos sempre os únicos responsáveis integrais pela situação que experimentamos no momento.

Apesar da grande vantagem de sabermos que somos os criadores da nossa realidade e que podemos mudar o que experimentamos da mesma forma que o criamos, não parece muito inteligente ter-se mais tendência para estar mal do que para estar bem. E também nos apanhamos enfermos, deprimidos, ansiosos e infelizes contemplando esse sofrimento em vez de mudar a causa.

Se o efeito é infelicidade, a solução óbvia seria mudar a causa, mudando assim o efeito. Mas quando já nos habituamos à infelicidade e a situação não põe aparentemente a vida em risco a tendência é adiar…

Porquê?

Será somente preguiça ou resistência à mudança?  Porque temos tendência a nos mantermos no vitimismo, criando o que não desejamos quando é mais fácil e simples mudar e criarmos o que desejamos?

Tudo isto é muito mais profundo do que normalmente nos é explicado pela psicologia, coaching ou por novas tendências terapêuticas emocionais. É urgente ir ao cerne da questão. As questões não têm fim: como foi possível criar um fosso tão grande e profundo na consciência do homem moderno? As explicações que nos são facultadas levam-nos aos meandros da imbecilidade. Onde está a verdadeira razão da fuga para processos autodestrutivos? Porque nos tratamos tão mal?

Sempre me consideraram à “margem do suposto” por ser tão curioso e colocar tanta questão. Feito de uma matéria difícil de formatar fui agraciado com imensos lideres e mentores, esses também considerados fora da caixa, que me foram mostrando a razão pelo qual estou aqui e o caminho a percorrer.

Se ficarmos um pouco mais atentos percebemos que a maior causa de sofrimento da sociedade moderna é exatamente o vazio existencial, criado pelo desconhecimento da razão da sua existência. O que fazer para pararmos o ciclo vicioso em que vítimas criam vítimas?

Não adianta chorar o leite derramado… nem culpar a educação limitante, que não soube mostrar a razão da nossa existência, nem nos mostrou o caminho nem a forma como o percorrer.

Como fazer?

É preciso ter calma: o nascimento de cada um de nós tem um propósito e não podemos mudar. A não realização desse propósito, causa o vazio existencial de uma vida sem sentido e leva-nos ao sofrimento extremo. As leis do micro e macrocosmo são imutáveis; da mesma maneira que não podemos manipular o que acontece no ambiente que nos rodeia nem no mundo. Porém, o ambiente dentro do qual existimos e do qual dependemos totalmente podemos mudar em definitivo! Podemos sempre optar por um ambiente interior que apoie o desenvolvimento espiritual e a realização de nosso propósito no mundo.

Assim é urgente aos “adultos” deste mundo, encontrar a razão da sua existência e entrar no fluxo da vida. E responsabilizarmo-nos por mostrar às gerações vindouras a razão pela qual nasceram e transmitir-lhes as leis para a realização.

Agora sim, como fazer… usei aspas na palavra adulto porque a educação moderna não criou pessoas livres e responsáveis, mas sim crianças imaturas grandes… para isso basta somente acessar aos números crescentes de “adultos” ansiosos e da crescente corrida aos gabinetes psiquiátricos. Felizmente hoje qualquer pessoa tem acesso a um curso de desenvolvimento e transformação pessoal, além de uma infinidade de meios de grande qualidade a preços simbólicos que pouco mais pagam que a alimentação, quando a pagam.

Não percas tempo!

Olhar para o pão não faz crescer.

Sê adulto responsável deixa o mundo melhor do que o encontraste.

Síndrome de Pânico e agorafobia

Síndrome de Pânico e agorafobia

“Se queres saber os pensamentos de ontem, observa a tua vida hoje. Se queres saber o que será a tua vida amanhã, observa os teus pensamentos de hoje”.

Pensamento indiano

O Pânico é uma ilusão distorcida da realidade.

Como mergulhar na nova realidade?

Apregoa-se aos quatro ventos que o mundo já mudou e continua-se a pensar como antigamente. Vive-se na era da in-formação e pensa-se como na era industrial. As síndromes de pânico, assim como outros grandes fenómenos causadores de um terrível mal-estar, surgem da falta de harmonia entre os princípios e valores aceites como verdadeiros e o que o indivíduo precisa para surfar o fluxo de ondas no quotidiano.

A ilusão dos sentidos é muito forte, mas se analisarmos com cuidado veremos que nada é o que parece…  os sentidos enganam-nos… e se nos deixarmos levar por essa ilusão o resultado é dor…

Foram-nos ensinados princípios e valores da velha era, e muitos de nós os aceitamos como verdade, entrando em conflito com a realidade atual… sentimo-nos desajustados, não nos sentindo a fazer parte do mundo. Muitas vezes sob o efeito dos pensamentos gerados por esses velhos princípios, mergulhamos em emoções negativas do momento, tudo parece ser ao contrário. Temos a sensação de estar a viver um caos terrível. A ilusão dos sentidos é de tal maneira destorcida, que causa sintomas como náuseas, vertigens ou sensação de desfalecer e morrer.

Mesmo em quem não se manifesta a síndrome de pânico e agorafobia, mas vive na luta pela sobrevivência o mecanismo é o mesmo…, aqui a realidade é ainda mais ilusória, faz lembrar o pobre sapo dentro da panela de água ao lume que se vai adaptando à zona de conforto e acaba cozinhado, o infeliz…

A síndrome de pânico e agorafobia é um transtorno de ansiedade, bem angustiante e doloroso criado pela ilusão dos sentidos. Na maioria dos casos o indivíduo vive uma situação aflitiva que provoca reações fisiológicas (palpitações cardíacas, tonturas, transpiração, fraqueza muscular, dificuldade em respirar, incontinência, etc.) e reações cognitivas como: medo de perder o controlo, medo de ficar louco, medo de ser humilhado em público, medo de morrer etc…. Todo este sofrimento doloroso criado pela ilusão dos sentidos mobiliza os psiquiatras, que prescrevem normalmente benzodiazepinas em SOS e um “antidepressivo tomado regularmente com a missão de captar serotonina”. Mas infelizmente este tratamento não resulta. Porquê? Porque não altera o principio que causa o sofrimento.

Todos sabemos que cada profissional faz o melhor que sabe e pode. Mas os resultados são bem conhecidos, apesar de não se resolver o problema, há uma tendência a criarem-se outros problemas como dependências de drogas e outras perturbações provenientes de contágios do mundo da doença, além de não se ajudar em nada o agoráfobo.

É urgente abrir as portas da vida a todos que estejam cansados do sofrimento da síndrome pânico e da agorafobia. Embora cada pessoa seja única e não existirem dois agoráfobos iguais há uma coisa em comum a todos: não se encontram em harmonia como o todo. Os princípios e valores espirituais onde assentam suas crenças estão fora de prazo, obsoletos, enfim, inúteis para uma vida de bem-estar, alegria e felicidade.

Como fazer para sair da escravatura do medo?

Em primeiro lugar, o agoráfobo tem que perguntar a ele mesmo se está disposto a mudar, abrir mão da verdade que carrega, criadora da realidade que experimenta. Sem esta pergunta, e uma resposta positiva, jamais estarão criadas as condições para uma vida livre de medos e incertezas.

Se a resposta for positiva (se o agoráfobo está disposto a mudar as crenças que lhe causam dor e sofrimento por crenças que lhe dão liberdade e alegria), deve procurar um terapeuta em Saúde Integral, ativista da nova era. Ele, numa sessão, dá-lhe todas as diretrizes para uma nova vida, acompanhando num percurso curto de ascensão.

É preciso desfazer o mito das velhas técnicas terapeutas, psicoterapias e outras que traziam envolvidos paciente e psicólogo por tempo infinito. A recuperação tem que ser rápida, eficaz e definitiva; raramente excede as seis semanas. Um terapeuta de Saúde Integral é honesto responsável, não tira partido do sofrimento de seu cliente. O terapeuta em Saúde Integral, depois de analisar o caso de seu cliente, mostra-lhe os vários caminhos da recuperação e deixa que seja o cliente a escolher o caminho que mais lhe convém ou melhor se adapta…

Apesar de todos fazerem o melhor que sabem e podem… não podendo ver mais do que conseguem enxergar; é urgente libertar mitos limitadores; não dar ouvidos aos arautos das desgraças que trazem parte da humanidade escravizada pelo medo… todas as doenças têm recuperação…

António Teixeira Fernandes

Holler Box

Pin It on Pinterest