Como surfar a onda da transformação e realização

Como surfar a onda da transformação e realização

Transformação e realização - o que é preciso para se ter sucesso?

Introdução

Este curso pode mudar radicalmente a vida de qualquer um, mas o aluno precisa de boa-vontade, mente aberta e coragem para se desprender totalmente de tudo o que sabe e estar aberto a conceitos totalmente novos. Sem isso é impossível transformação e realização.

Compreender é sentir. Para entrar profundamente na transformação desapega-te já de tudo o que sabes. Não adianta saber que todas as possibilidades estão no mesmo lugar enquanto estamos agarrados a princípios que nos criaram algo que não queremos. Não interessa em que área ae nossa vida aparece o problema, logo que algo não esteja bem não existe harmonia em nenhuma das outras seis áreas da vida.

Desde já é preciso ficar bem claro, se não estás preparado para abrir mão do que criou o problema, este projeto de transformação e realização não é para ti. Não é para ti, porque ainda não queres usufruir da vida e realizar os teus objetivos neste mundo.

Embora o hábito não seja o monge o hábito faz o monge.

Como tudo começa

Desde muito novos somos educados a compreender intelectualmente, anulando assim o sentimento que cada coisa ou situação desperta no ser que habita num corpo ainda frágil em desenvolvimento. “De pequenino se torce o pepino”, diz o ditado popular…, para que a formatação seja facilitada mandamos os nossos filhos cada vez mais cedo para centros de formatação, para que na idade adulta sejam uma peça que se encaixe no puzzle.

Há alguns anos fui ao mercado a Beja e vi uma abóbora quadrada. Perguntei qual era o nome daquela espécie de abobora e o agricultor disse que quando a abóbora era ainda muito pequena foi introduzida dentro de um velho jerrican. A abóbora foi crescendo e ficando com o formato do molde que a comprimia. É dessa mesma forma que fomos moldados e que exigimos que os nossos filhos sejam moldados, para que sejam peças que se encaixem num determinado espaço.

Com esta pequena ilustração da abóbora do agricultor alentejano, vimos como foi fácil perdermos identidade. Mas o problema é que não somos vegetais abóboras, pepinos, melancias ou melões. Somos seres eternos, dotados de poder divino, que decidimos ocupar um organismo biológico e nos dão o nome de humanos.

Quais as implicações desta normalização?

Nada mais pode ser tão destrutivo para o ser humano do que o conceito de normalização aplicado ao ser humano. Para que uma normalização seja perfeita é preciso matar a razão porque decidiu vir a este mundo.

Quando a normalização acontece deparamos com um ser vazio de vida, um corpo sem espírito. Um ser alienado capaz fazer o que lhe indicam fazer.

É impossível qualquer verdadeira transformação ou cumprir a razão da nossa existência (realização), enquanto não retomarmos o contacto com o ser que ainda alimenta este corpo biológico que deveria ser o nosso veículo de realização e não uma peça no mecanismo de uma sociedade caduca e doente.

Precisamos saber que desde muito cedo entramos num processo de esclerose do ser, que nos foi invalidando, num processo contínuo de falso crescimento. Exteriormente até parece certo, porque crescer implica desenvolver-se e amadurecer; mas a questão é que não se trata nem de crescer nem de madurecer, bem pelo contrário. E quanto mais cedo entramos no velho processo educacional mais cedo ficamos alienados da vida, infelizes, frustrados e doentes.

E o que acontece quando uma criança não deixa que lhe roubem o ser?

Felizmente na minha geração ainda não existia a ritalina com que hoje drogam os nossos filhos quando reagem a quem lhes rouba a vida. No meu tempo eramos considerados marginais, rebeldes ou inaptos. Mas com o tempo lá nos fomos adaptando em alguns setores que não seja obrigatório cumprir ordens sem questionar. Em qualquer caso o resultado acaba sempre no vazio existencial.

Para se conseguir lidar com essa infeliz frustração, cedo começamos a usar drogas ilusórias, para conseguir iludir o vazio existencial, manifestado com a famosa e dolorosa ansiedade, depressão até pânico.

Como é possível criar tanto vazio e dor?

Não vivemos numa época em que a tecnologia nos mostra maravilhas, diariamente? A ciência moderna não nos prova cientificamente que vivemos num universo de possibilidades infinitas? Não existem recursos multimídia disponíveis com o poder de ajudar a nossa geração a evitar o sofrimento e alcançar a paz?

Tudo isto e muito mais é verdade. Então porque vivemos mergulhados no medo, inseguros e infelizes? Oi! Não adianta duvidar ou negar!… “O santo google” mostra quem povoa os consultórios e hospitais psiquiátricos.

Como reverter este estado de psicose hipnótica? Não seria coerente pretender dar uma solução aqui e estar em coerência com que foi escrito. Estaria a cometer um crime grave. Levar o leitor a usar as ferramentas com criou o vazio para preencher esse mesmo vazio existencial.  É preciso mergulhar-se no ambiente da recuperação para se aceder a realização. Foi por essa mesma razão que se criaram estes cursos em ambiente privilegiado, com acesso a todos que estejam prontos para encontrarem a vida perdida.

Se consegues sentir o que foi escrito; sabes que o vazio não se preenche com nada que esteja fora de ti, mas sim com o que foi retirado de ti. A razão pela qual nasceste.  É urgente sair da multidão de seres robotizados que se deslocam como zumbis, de um lado para o outro. Mortos num corpo que vive.

Continua…

http://cursoseworkshops.solucaoperfeita.com/curso-de-transformacao-e-realizacao-pessoal/

Uma Crise é uma Bênção

A crise é uma benção

Prezados colegas, amigos, leitores terapeutas e clientes. Sinto que chegou a hora de partilhar convosco tudo que aprendi nos últimos quinze anos como coordenador de centenas de projetos de transformação e recuperação pessoal. Como é do conhecimento geral na viragem do milénio surgiu o primeiro centro de recuperação de vida integral da Europa. Um serviço prestado da mais alta qualidade que reciclou centenas de vidas de todos os estratos sociais de todo o mundo.

Preciso também esclarecer que este Blog foi criado com o único propósito de partilhar não somente a minha experiência adquirida como naturopata apaixonado pela medicina quântica, como também a de coordenador de projetos de transformação pessoal de homens e mulheres de todas as raças e credos, durante os últimos quinze anos. Esta informação destina-se a médicos de todas as escolas, a terapeutas holísticos e outros, e a todos que queiram usufruir de soluções comprovadas de sucesso.

Neste primeiro artigo começo por elucidar qual o tipo de problemas que mais fluíam ao primeiro centro de recuperação e transformação pessoal da Europa. Apesar de existirem dois grandes grupos de problemas, somente os Graves eram aceites nesta instituição.

Antes de continuar sinto a necessidade de esclarecer quais são estes dois grandes grupos de problemas.

Agudos /Graves = (crónicos).

Os agudos é uma crise de cura passageira, “um arrumar a casa”. São aquelas situações como perder o emprego, um conflito com um colega ou uma discórdia familiar. Na saúde são todas as “doenças”, terminadas em ite como por exemplo; conjuntivite; renite; cistite; etc,; etc, ; etc,; na saúde é uma libertação ou desintoxicação do organismo, uma forma de Auto Cura. No quotidiano é um reajustar para melhorar. Uma perca de emprego dá a oportunidade para repensar a carreira e o futuro. Uma discórdia familiar é a oportunidade de crescimento, um conflito de qualquer espécie é sempre uma forma de melhorar para crescer. A não ser quando ambas as partes teimem em querer ter razão; ai pode ser criado dor e ressentimento e evoluir para uma situação grave.

Graves ou crónicas são os problemas que não têm cura mas têm recuperação. Na Saúde Física são doenças, como a diabetes; o Cancro; A Cirroses; Alcoolismo; doenças cardiovasculares etc. todas aquelas doenças que a OMS apelida de psicossomáticas.

Na Saúde material, viver na pobreza, e subsistir na luta pela sobrevivência, é um problema grave, um beco sem saída. Um distanciar da casa do Pai.

Como proceder perante um problema grave?

Perante uma situação de doença grave seja ela física emocional mental ou financeira, somente a recuperação faz milagres.

Recuperação transforma Uma Crise numa Bênção.

Afinal o que é “Recuperação”, que transforma uma crise numa bênção?

Antes de explicar o que é recuperação é preciso expor “o conceito de Recuperação”. Como esta informação é para técnicos de saúde, terapeutas holísticos e outros que procuram soluções para seus problemas, vejam o próximo artigo que fala no “conceito de recuperação”, antes de se entrar no processo transformador da recuperação que transforma uma crise numa bênção.

PS: Com intuito de melhor servir e ajudar peço a todos que queiram colaborar na construção de um mundo melhor e mais amoroso, que ponhas as questões que querem ver discutidas e as duvidas que subsistirem para: antonio@solucaoperfeita.com

Holler Box

Pin It on Pinterest