“Tenho tudo para ser feliz e vivo em sofrimento ”

“Tenho tudo para ser feliz e vivo em sofrimento ”

A consciência cria realidade

O principal propósito deste artigo não é adicionar mais informação ao que já conhece nem tentar convencê-lo de alguma coisa, a intenção é alertar para a diferença entre expandir a consciência e o despertar para um novo paradigma.

Hoje vamos utilizar de novo os princípios abrangentes da ciência moderna não numa toada informativa, mas dentro de uma perspetiva prática.  

O observador dita a realidade através da própria consciência. Apesar de Jesus, Buda e todos os mestres conhecidos já nos terem mostrado com clareza que a consciência cria a realidade, isto nunca foi entendido nem mesmo pelos seus discípulos, que os acompanhavam diariamente ao longo de anos. Será que agora estamos mais preparados que há 2000 anos?

 Claro que sim. E a nível do conhecimento (teoria) a maioria já tem essa informação… e a nível da interação já faz parte da rotina diária de 80% da população mundial.

Então porque razão continua a aumentar vertiginosamente o sofrimento no mundo, com depressão, pobreza, ansiedade, cancro diabetes etc.?

Aqui reside o verdadeiro objetivo deste alerta. Enquanto se encher a mente de informação e não se despertar para uma consciência para lá da ilusão dualista da matéria, o que traria prazer, felicidade, alegria e bem-estar, torna-se gerador de dor, doença, infelicidade e sofrimento. Essa é razão porque diariamente oiço dizer que: “tenho tudo para ser feliz e vivo em sofrimento”.

A consciência cria realidade! Esta é a grande revelação da ciência moderna, bradada aos quatro ventos: “a consciência cria a realidade” a nova ferramenta que liberta a humanidade para a nova era.

Com esta afirmação de que “a consciência cria realidade” são abertas infinitas questões. Mas vou responder às que são postas com mais frequência, nas palestras e workshops.

O que elucida o observador?

 A consciência.

 O que é a consciência?

A consciência inclui tudo o que está na nossa realidade, o que aceitamos como certo ou errado. Define a maneira como percebemos o nosso mundo a e forma como pensamos, sentimos e agimos etc.

A realidade que alguém ou qualquer um de nós experimente não resulta de nada exterior, mas da forma como se consegue observar o mundo exterior através da própria consciência, “o céu e o inferno” são uma única coisa, depende de cada um criar o quer com a própria consciência. Por exemplo: ansiedade, depressão, insegurança social, insegurança profissional e vocacional ou económica, além de todas as doenças chamadas crónicas e que a OMS chama de psicossomáticas, resultam sempre do ato de observar e são criadas no observador, através da consciência do observador.

Logo que se muda a consciência muda-se a realidade. Por essa razão se sabe que todas as doenças crónicas têm recuperação.

Normalmente surge esta questão: “será que o homem moderno está preparado para a mudança de consciência”? Ou esta; “se Jesus, Buda e outros tentaram e não conseguiram nem alargar a consciência dos seus discípulos como é que conseguiremos agora mudar?

Não se trata de opção. Que o digam todos que “optaram” ou foram induzidos a aliviar a ansiedade com drogas em vez de alterarem a consciência.

Qualquer um de nós sabe que a verdade de há 10 anos não é verdade hoje…, e que a consciência está sempre em expansão. Mas a dificuldade deve-se ao paradigma dualista materialista já inútil e obsoleto onde assenta o sistema vigente.

Os sinais do despertar

Na verdade, ainda temos a tendência de justificar com a consciência coletiva, manifestada na aldeia global em que nos movemos e que nos amarra a preconceitos que funcionam para defesa do sistema. Mas na verdade começamos a despertar para a ideia de que somos nós que impomos esses preconceitos a nós mesmos, para sermos inseridos nos limites acanhados da normalidade. E aí a luz começa a penetrar nas trevas…, e um novo observador desperta,

Concluindo…

A consciência de Jesus e outros mestres não era seletiva nem obedecia a preconceitos. Estava para lá da fragilidade do paradigma materialista dualista. O “novo paradigma” que de novo pouco tem, é inclusivo, inclui o ser humano no todo; reconhece a espiritualidade (onda/partícula) da matéria, libertando-nos do preconceito dualista  separatista limitado da normose.

Finalizando…

O Ativista da Nova Era tem como meta a recuperação e transformação pessoal, influenciando com a sua ação a aldeia global onde se movimenta. Para isso tornou-se um praticante dos princípios transformadores da física quântica e do novo paradigma. Não dando aso a comentários como este: “Tenho tudo para ser feliz e vivo em sofrimento”

Se quiseres continuar a acompanhar e a interferir de uma forma ativista na mudança da realidade que experimentas vem participar nas palestras on line todas as quartas feiras com entrada livre abertas a todos. http://ativistadanovaera.ning.com/

Ou informa-te dos cursos e retiros que têm como função o despertar para uma nova consciência. http://convencao.solucaoperfeita.com/retiros-de-transformacao/

Incondicionalmente disponível,

António Teixeira Fernandes

Quando a ansiedade se instala o que fazer?

Quando a ansiedade se instala o que fazer?

 

A ansiedade é um estado de sofrimento progressivo sem causa física… avaliada como doença de sentimentos e emoções… no seu processo evolutivo, pode exibir picos que chamamos “crises de ansiedade”. A sua evolução progressiva leva o ansioso a um sofrimento atroz. 

Quais as soluções disponíveis para quem sofre de ansiedade?

Existem 3 “portas de saída” para quem mergulha na ansiedade.

A mais usada é a porta SOS,  que deveria somente ser usada em SOS, como a palavra indica.

A segunda mais usada é a gestão da ansiedade com técnicas com mais ou menos eficácia.

A terceira porta, sem dúvida a menos conhecida, e que transforma a ansiedade numa bênção ou a recuperação para uma nova consciência.

Vamos agora esclarecer como funcionam estas tês portas de saída…

Comecemos pela mais usada, a porta SOS. Esta porta é de um valor incalculável quando usada somente em SOS. Infelizmente muitas vezes o SOS, por falta de conhecimento de outras portas de saída, tornou-se permanente em milhões de casos, segurando e afastando o ansioso num ciclo vicioso, cada vez mais distante da própria vida…, muitas vezes essa ausência da vida, permanece por muitos anos. Quando isto acontece a solução perfeita para recuperação da própria vida, passa por um programa criado caso a caso, por técnicos responsáveis e experientes.

A segunda porta mais conhecida e usada é a gestão de ansiedade. Aqui o leque é extremamente grande. Técnicas terapêuticas, que vão desde a Fitoterapia à terapia Ortomolecular, passando pela meditação, EFT, Coach, ho oponopono, Hipnose clinica, reiki, terapêuticas quânticas, homeopáticas Ayurveda, hidroterapia, terapia do grito etc. etc. etc….  Apesar de se tratarem de técnicas valiosas, praticadas por técnicos honestos, conseguindo uma boa gestão de ansiedade e stress, o controlo não é suficiente para que a paz interior não esteja constantemente ameaçada, mantendo o indivíduo em constante tensão. Quem sofreu de ansiedade, apesar de poder conviver de forma aceitável com ela, consciente da própria vida, não atinge o seu propósito de nascença: a plenitude da missão cumprida e a alegria de ter contribuído para um mundo melhor para todos.

A terceira porta é a recuperação de uma nova vida, através da reciclagem dos velhos conceitos caducos, em princípios úteis e saudáveis para todos. Aqui quem sofre de ansiedade transforma o sofrimento numa bênção. Acedendo ao que a ciência moderna chama mundo paralelo… a ansiedade transforma-se em paz interior, certeza e autoconfiança.  Ansiedade nunca mais. Felizmente hoje a terceira porta está aberta para todos sem exceção, ao contrario de há 5 anos atrás… em que o seu acesso estava reservado a uma elite com dinheiro…

É natural que tenhas duvidas. Não hesites em colocá-las, não adies mais, nascestes para viver em paz interior, alegre e feliz mergulhado na abundância universal.

Aguardo as tuas duvidas e questões. Dá uma oportunidade a ti mesmo. Se tu não te a deres jamais alguém te a poderá dar…

Incondicionalmente disponível,

António

Holler Box

Pin It on Pinterest