Educação da nova era

Educação da nova era

educação

Abre um pouco o teu coração que eu te ensinarei a dançar com a vida nesta nova era.

Introdução

Numa altura que o mundo está mergulhado em grande agitação e os escapes para a ansiedade, angústia ou depressão estão limitados ao uso de drogas ou outros alteradores de humor, é urgente mergulhar no cerne do problema e buscar uma solução perfeita e criativa para o homem da nova era.

A solução passa por uma nova educação.

“Só conseguimos ver o que conseguimos enxergar.”

 Só uma nova educação focada no desenvolvimento pessoal, expandirá a consciência criando uma nova humanidade. Vejamos; se despertarmos da hipnose e dermos um pouco de atenção aos sinais, damos conta da existência do paradoxo: numa altura que a tecnologia de ponta avança a passos largos para a robotização da indústria, agricultura e serviços, reduzindo drasticamente a necessidade da intervenção humana no garante de bens e serviços para satisfazer o bem-estar e desenvolvimento do homem em particular e da humanidade num todo; a humanidade chega a este caos existencial, afundando-se na angústia, ansiedade, depressão e doença.

Porque se chegou a este caos existencial? Aqui não há culpa nem culpados. Todos fazem o melhor que sabem e podem, dentro do que conseguem enxergar. Ao longo da história da humanidade, sempre as grandes crises precederam as grandes mudanças. Faz parte da índole humana e as coisas foram acontecendo mais ou menos assim… Os mecanismos tradicionais baseados nas leis da física clássica foram sendo substituídos pela eletrónica da moderna física quântica, as novas tecnologias de ponta vindas dos princípios quânticos foram-se instalando, preenchendo a totalidade das necessidades duma sociedade governada por uma consciência coletiva materialista. É essa filosofia materialista dominante que cria a incompatibilidade no homem moderno, que apesar de possuir tudo que necessita para viver de forma paradisíaca, nunca foi tão deprimido, angustiado, doente e ansioso.

Porquê? A humanidade e o homem moderno em particular sentem-se esmagados e perdidos entre a culpa e o medo, devido ao paradigma educacional materialista que governa e limita a sua própria consciência, pensamentos, emoções e realidade; é como viver no paraíso com uma venda nos olhos, usando equipamentos dotados de inteligência própria.

A solução é uma nova educação que não ponha vendas que impeçam de enxergar realidade e que permita o desenvolvimento criativo do novo homem. É urgente criar escolas renovadoras, capazes de dar conhecer a mecânica do novo paradigma, criando dessa forma uma nova consciência ampla e abrangente, capaz de transformar o mundo atual num mundo de quietude, alegria e abundância.

Das muitas escolas que surgem no preenchimento desta lacuna, a Fundação António Shiva, com 20 anos de experiência, tem programas educacionais para adultos, com a função de retirar vendas e limitações; ao mesmo tempo que abre as portas para a formação prática de educadores infantis.

 Vale mais educar que remediar.

Em que difere a educação da nova era da velha educação ainda instituída?

A velha máquina educacional instituída está presa à filosofia materialista e durante as últimas décadas sufocou os sonhos das crianças de todo o mundo. Desde os anos sessenta que a educação liberal, sonhada para estimular a criatividade e realização pessoal, desviou-se aos poucos do propósito primordial, incitando seus alunos à competitividade, preparando indivíduos para ocuparem cargos em detrimento do desenvolvimento de talentos e realização dos sonhos pessoais. A educação tornou-se uma indústria de moldagem e normalização homologada, contribuindo para um mundo de homens e mulheres imaturos e despreparados para lidar com a própria vida, com sentimentos e emoções. Máquinas com mecânica rudimentar, incapazes de igualar a nova inteligência artificial aplicada no vulgar telemóvel ou celular, como dito em português do Brasil.

A educação da nova era foca todo o seu potencial no desenvolvimento pessoal do indivíduo, criando cidadãos inteligentes, responsáveis e realizados, tornando-se assim pais sábios e conscientes da sua ação no progresso da humanidade e do mundo.

É preciso acordar, as nossas crianças não podem continuar a ser sufocadas com uma educação separatista materialista, que lhes rouba a vida.

Não basta saber como é e ter consciência do problema, é preciso por ação. O que é que a fundação A. Shiva fez neste sentido?

A fundação A. Shiva vem desenvolvendo desde o ano 2000 programas de recuperação e expansão da consciência para adultos, baseados nas leis da física moderna. Estes programas individuais são caros, só acessíveis a alguns. Com o intuito de criar programas de expansão da consciência acessíveis a todos, desde 2015 a fundação A. Shiva, juntamente com o Ativista da Nova Era, tem tomado algumas iniciativas com o propósito de recolher feedbacks, que possam ajudar a criar soluções perfeitas e criativas para a humanidade infeliz e descontente; além dos programas bem estruturados de gestão do cotidiano que têm melhorado a vida de milhares de pessoas em todo o mundo, tem promovido palestras semanais e workshops 100% gratuitos de grande eficácia, de onde recebe diariamente feedbacks. Graças a esses feedbacks tem novos programas melhorados para iniciar em janeiro de 2018, além da já programada semana de expansão da consciência em Fátima, que apesar de um número muito reduzido de participantes, o acesso está ao alcance de qualquer um. http://cursoseworkshops.solucaoperfeita.com/semana-de-expansao-da-consciencia/

Se esse evento limitado a um pequeno grupo resultar na solução perfeita para a vida de seus participantes como esperado, novas semanas de expansão da consciência surgirão mensalmente onde existir um grupo pronto para uma nova vida.

É urgente a formação de professores. O que é que a fundação António Shiva contribuiu para a criação de novos educadores? Na nova era, o ensino é feito por mestres. Os alunos dão a oportunidade de o mestre ser a consciência que se expande. Por outras palavras, o mestre partilha com alegria a sua própria conduta, em vez de papaguear uma teoria.

A fundação A. Shiva, em parceria com o Ativista da Nova Era, oferece a oportunidade a jovens educadores de praticarem no seu quotidiano o que pretendem ensinar nas escolas da nova era. São programas com 12 meses de prática da mecânica quântica em todas as ações do quotidiano. É oferecida estadia e alimentação na sede da fundação em Portugal. É preciso salientar que a fundação António Shiva é totalmente autónoma, não recebe contribuições de fora, custeando as suas despesas com o rendimento dos serviços que presta e do empenho, boa vontade e dedicação de todos os ativistas da nova era, que sonham com o paraíso na terra.

CONTINUAÇÃO com os objetivo para 2018…, educar em vez de aliviar adultos que não vejam mais sentido para as suas vidas.

Porque vivemos ansiosos, deprimidos e doentes?

doentes

“Casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão”

Ditado popular

Diariamente chegam cartas de homens e mulheres de todos os estratos sociais reclamando a falta de qualidade de vida. O bem-estar pleno é ameaçado por doenças causadas por emoções e pela nossa incapacidade de curá-las, não porque os custos médicos são insuportáveis, mas porque as instituições e os profissionais da doença sofrem do mesmo problema. O sistema parece estar doente.

Há poucos dias ouvi um responsável religioso apelar à reflexão do que está a acontecer com a humanidade. Dizia ele: “Apesar dos gastos avultados com a educação e com a saúde, apetrechada com tecnologia de ponta; tudo o que homem moderno alcançou foi infelicidade para si e para os outros”. Mas esse líder religioso poderia acrescentar outro paradoxo; quanto mais se investe e investiga na cura da doença, mais a doença cresce. Ou ainda mais; quanto mais investimos na educação de nossos filhos, mais infelizes os encontramos. Será que estamos condenados à infelicidade e ao sofrimento? Claro que não… Então porque vivemos cada vez mais ansiosos, deprimidos e doentes? A causa parece estar na educação.

Vejamos, o mundo já mudou e a humanidade vive na era tecnológica e a velha máquina educacional materialista, que durante as ultimas décadas sufocou os sonhos das crianças de todo o mundo, precisa urgentemente de ser substituída por um sistema educacional baseado nos princípios da ciência moderna. Que faça homens inteligentes, responsáveis e realizados, dotados duma consciência abrangente; que faz pais sábios e cidadãos ativos no desenvolvimento do mundo e da humanidade.

Assim para que possamos acabar com a ansiedade e depressão no mundo basta simplesmente substituir a velha máquina educacional materialista, pela educação da nova era.

A nova educação faz o novo homem e o novo homem cria um mundo novo.

Como é que uma nova educação cria um novo mundo?

Onde é que o velho sistema educacional falhou? A educação instituída está estruturada na velha filosofia materialista, onde a criança é incentivada a enxergar os valores materiais como fundamentais; alimentando assim o orgulho e a egoesclerose através do estímulo do patriotismo, fazendo-o acreditar, que ele, assim como seu grupo, clube, país, religião, são superiores aos outros. Com essa formatação torna-se um adulto preconceituoso de mente estreita, desajustado em relação à vida e ao mundo. Entre os sintomas físicos deste desajuste temos a ansiedade em grande plano e a frustração e depressão dos que não conseguem atingir os padrões de “normalidade” exigido.

Apesar do papa João XXIII ter alertado para os resultados catastróficos que poderiam advir…, impondo reformas profundas na instituição que presidia, a sua mensagem não foi percebida e rapidamente a educação liberal sonhada para estimular a criatividade e realização pessoal, desviou-se do propósito primordial, incitando à competitividade preparando indivíduos para ocuparem cargos em detrimento do desenvolvimento de talentos e realização de sonhos. Foi deste jeito que foi construída uma sociedade descontente, triste e infeliz. Apesar das licenciaturas, doutorados ou cargos que ocupam são eles de povoam os consultórios psiquiátricos, precisando cada vez de mais drogas e alteradores de humor para conseguirem viverem com ele próprios.

A educação na nova era tem como base a ciência moderna que primazia a consciência abrangente em detrimento da aparência.  Cada indivíduo é motivado à autorrealização e desenvolvimento dos seus talentos. Na educação da nova era toda a criança começa por aprender a lei da interdependência da natureza que garante que nenhuma criatura se vai sobrepor a outras criaturas porque destruir as outras criaturas significaria destruir a si próprio.

Se não estiver atento você que leu o último parágrafo possivelmente está a pensar que a lei da interdependência é uma tolice. Talvez a grande maioria viva a pisar e a prejudicar outras pessoas e, por consequência, eles próprios. Aqui respondo com clareza porque vivemos ansiosos, deprimidos e doentes…

Sabemos que a educação materialista nos levou a pensar que poderíamos controlar os outros ou mesmo o nosso ambiente, moldando o mundo a nosso belo prazer. Mas se fizermos uma rápida viagem pelas manchetes mundiais e analisarmos os resultados o mais que foi conseguido foi infelicidade.

A escola da nova era tem as inscrições abertas – programas intensivos para adultos.

São precisos homens inteligentes, responsáveis e realizados, dotados duma consciência abrangente.

Aqui tem a solução: https://solucaoperfeita.com/fundacao/programa-recuperacao-expansao-da-consciencia/

António Fernandes

Ansiedade, ansiolíticos e o homem moderno

Ansiedade, ansiolíticos e o homem moderno

ansiedade

Escrevo este artigo de coração apertado e triste pelo sentimento de impotência por dezenas de apelos aflitos de socorro que diariamente me chegam a mim e à minha equipa. A ansiedade, ou medo sem objeto, está a roubar a vida de 1/3 da população mundial. A maioria queixa-se do sentimento de inutilidade, mentira, derrota e vazio existencial. Esse mal-estar é o reflexo de uma sociedade limitada pela filosofia material e religiosa que obriga através do medo económico à  competitividade, fazendo aos outros o que não desejamos que nos façam. Por outras palavras, ser-se simultaneamente agressor e vítima numa constante luta pela sobrevivência.

 O paradoxo…

Apesar da dor do vácuo existencial, preenchido com o sentimento de inutilidade, ilusão, derrota, comum a todos os intervenientes, continua-se dia após dia a lutar contra esse medo (ilusório) sem objeto. E pior, para se aliviar ou não sentir o vazio existencial, que pomposamente chamam ansiedade, procuram-se drogas duras sedantes, em vez de sair daquela luta pela sobrevivência, sem sentido, onde ninguém pode ganhar.

O que é ansiedade?

Ansiedade é medo sem objeto (razão).

Porque aumentam de forma vertiginosa os ansiosos no mundo?

A maior causa de aumento da ansiedade resulta da imaturidade gerada por uma educação limitada à filosofia materialista/dualista. O mundo já mudou, já se vive a era tecnológica e os conceitos da era industrial, ainda usados na educação e formação, já estão caducos para as necessidades e desafios de hoje. Por outras palavras, os princípios e valores que nós mesmos escolhemos como corretos e que outrora (num passado recente) funcionavam bem… hoje não funcionam mais. É urgente mudar…

Mudar o quê?

É urgente o homem e a mulher modernos mudarem o paradigma! Passarem do paradigma materialista/dualista da era industrial, com que foram formatados, para o novo paradigma abrangente da consciência da era tecnológica ou IN- Formação.

O que fazer quando se entra num estado de ansiedade?

Antes de saber o que fazer, é importante falar do ansioso. A ansiedade não cai dos céus aos trambolhões em cima de alguém que está em dia de azar. A ansiedade, assim como tudo, obedece a um conjunto de reflexos pessoais gerados nas mais diversas situações do quotidiano de cada indíviduo. Se na verdade a pessoa já está em estado de ansiedade há que usar em SOS um dos vários métodos ao dispor. Se nenhum procedimento resultar, pode sempre optar por drogar o ansioso em SOS (apesar de não ser um ato muito digno para um ser humano). Mas após drogar o ansioso, o mais urgente é mudar a causa desse sofrimento. Procurar um bom programa de recuperação (vida), para sair da ignorância materialista da competição e entrar na consciência abrangente da criação. Felizmente hoje há muitos programas eficazes de transformação pessoal, acessíveis a qualquer bolsa. Só quem não quer mudar e ser feliz não encontra uma solução perfeita.

Como faz aquele que está preso na dependência de “ansiolíticos”, drogas sedantes?

Não podemos falar de dependência de benzodiazepinas sem falar de toxicodependência e esclarecer que apesar de se dizer que a toxidependência é a peste da era moderna, mais de 90% dos toxicodepentes resultam de drogas legais, receitadas por agentes da indústria química e adquiridas por receita médica em farmácias. Na verdade, a maioria dos pedidos de ajuda vêm de pessoas desesperadas (toxicodependentes de drogas legais de ambos os sexos).

Como faz o que deseja viver livre (sem droga)?

Apesar de existirem muitas drogas lícitas e ilegais no mercado, estamos aqui a referirmo-nos às benzodiazepinas, com o vulgar nome de calmantes ou pomposamente ansiolíticos. Seja qual for o nome que se dê a esta droga receitada pelo agente da indústria química, é preciso saber que as benzodiazepinas não tem qualquer efeito terapêutico. O seu único e exclusivo efeito é sedar (dopar, drogar), por outras palavras, tirar a capacidade de sentir e agir. Quem as usa aos poucos vai perdendo o contacto com a vida.

Estas drogas apesar de possuírem um grande poder dopante, também tornam rapidamente dependentes a maioria dos seus usuários.

O que fazer?

Quem quer a vida de volta, deve confrontar o agente (médico) que lhe receitou a droga, com a pretensão de querer a vida de novo.

Como profissional honesto e responsável vai louvar o seu desejo de viver e ajudar a desintoxicar a droga rapidamente. Nesta fase de desintoxicação, aproveita-se para mudar o paradigma, senão o que deveria ser regresso à vida, torna-se regresso ao inferno que o levou aos ansiolíticos.

O QUE O DEPENDENTE DE UMA DROGA NUNCA DEVE FAZER

Quando se é dependente nunca se deve tentar a desintoxicação através de um desmame. O desmame é para os bezerros e cabritos numa fase de transição de alimento líquido para alimento sólido. Apesar de não saber de onde surgiu esta ideia, ela demonstra total ignorância em relação ao funcionamento de uma dependência. O desmame só pode resultar em quem não é dependente.  Se se é dependente existe uma compulsão física e uma obsessão mental. Estes dois componentes é que definem se a pessoa é ou não dependente de uma droga ou outra coisa que lhe provoca alteração de humor.

Qual é a diferença entre vício e dependência?

Vício é um mau hábito. Os hábitos bons ou maus rapidamente se ganham e rapidamente se perdem. Dependência traz manifestações físicas, que no caso do álcool podem levar a morte.

Porque é que nunca se deve desmamar uma droga? 

Neste caso a droga chama-se benzodiazepina, mas poderia chamar-se heroína, álcool ou outra qualquer.  A benzodiazepina, com o vulgar nome de calmante, é sem dúvida a mais poderosa de todas as drogas feitas pelo homem, nada nem ninguém tem tanta gente dependente. Gosto especialmente dela pelo poder e habilidade com que dominou o mundo moderno. Criada há seis décadas, destinada a viver trancada no cofre forte das urgências dos hospitais psiquiátricos, hoje o seu crescimento, uso e abuso perdeu o controlo. Com mais de mil nomes comerciais também se pode encontrar dissimulada em quase todas as formas farmacêuticas. Desde o xarope para a tosse, vendido em qualquer supermercado até a analgésicos de venda livre. Fico especialmente triste quando me deparo com a ignorância de se tentar fazer braço de ferro com o poder responsável pela maior legião de zumbis alguma vez vista no planeta terra.

Com esta rápida visão do poder desta droga, vamos perceber porque o desmame é agressivo para o organismo e muitas vezes com lesões irreversíveis.

Um organismo dependente reconhece-se pela compulsão física. O que é compulsão física? Compulsão física são manifestações físicas reclamando a falta de algo de que o organismo é dependente. Em certos casos pode levar a morte.

Como atua a compulsão?

Só um exemplo

Atenção:  o que vou declarar aqui refere-se à 1ª tentativa de desintoxicação de uma benzodiazepina. Não me responsabilizo se usar esta informação para fazer uma desintoxicação desta poderosa droga. Quem o fizer sem ajuda não tem noção do que foi transmitido aqui.

Quando a droga perde a sua ação começa-se a entrar num estado de ansiedade (sem perigo de vida). A ansiedade aumenta gradualmente com algumas oscilações até às 72 horas após ter terminado o efeito da última toma. Quando a benzodiazepina tem uma duração longa, pode se substituir por uma de ação rápida e de curta duração, durante 3 dias antes de fazer a desintoxicação. Após as 72 horas, o organismo continua a reclamar a droga, cada vez com menos intensidade até que ao final de alguns dias a compulsão desaparece definitivamente. Normalmente no 15º dia já não há qualquer manifestação.

Agora vejamos o que acontece quando se faz um desmame.

Quem faz um desmame além dos muitos riscos que corre, algumas lesões podem ser irreversíveis e em caso de recaída a vida torna-se um tormento.

Como em caso de falta de droga, a compulsão manifesta-se com o seu pico máximo às 72 horas. Cada vez que se reduza o consumo vai iniciar-se um novo ciclo de compulsão em cima de um que já começou há 24 horas atrás para ter o seu pico máximo de ansiedade às 72 horas. Como com ansiedade ou não o usuário continua a baixar a dose, novos sintomas aparecem para que seja reposta a droga. E assim cria-se um inferno totalmente descontrolado. Se o corpo é jovem e forte, além de muito debilitado, pode recuperar quase totalmente a vitalidade, mas na maioria dos casos ficam abertas condições para várias doenças graves.

O que fazer se iniciar erradamente um desmame e não conseguir mais aguentar a compulsão física? Volto à dose inicial?

Infelizmente muitos são as vezes que isso acontece, o ideal seria fixar nessa dose droga, mas em muitos casos isso é impossível. Só mesmo perante cada caso poderão ser analisado os estragos. Se retomar a dose inicial e se organismo estiver muito deteriorado pode entrar num estado de zumbi.

Resumindo se não dorme, não caia na asneira de procurar uma droga para ser sedado. Analise com cuidado o que se está a passar na sua vida. A maior parte das vezes basta não ouvir mais noticias para dormir bem. Eu não vejo telejornais há 20 anos e não é por isso que não sou uma pessoa informada. Tomar uma droga não resolve o problema.

Se está ansioso, parabéns chegou a hora de brilhar! Não procure drogas para não sentir a vida. Além de adiar a vida, sem saber se está cá amanhã,  o tempo não vivido jamais será recuperado. Procure ajuda honesta e responsável, mude o paradigma e torne-se num alegre e feliz surfista da vida. O seu destino é surfar.

António Fernandes

Quando a angústia se instala

Quando a angústia se instala

A angústia é um veneno letal em expansão por todo o mundo. Apesar de afetar mais indivíduos do sexo feminino acima dos 40 anos, surge em grande desenvolvimento, neste momento, em jovens adultos de ambos os sexos.

Porque é que esse fenómeno acontece numa altura de tanto desenvolvimento e que a vida se torna tão simples e facilitada?

A angústia resulta de um mito enraizado na consciência coletiva da humanidade. A personalidade de vítima, resultante da separação do indivíduo com o universo (Deus), tem sido criada há milénios pelo próprio indivíduo (numa luta pela sobrevivência) muitas vezes com a ajuda de falsas crenças religiosas. “O amar o Deus que habita em ti e ao próximo como a ti mesmo”, pregado pelo nazareno, nunca foi bem assimilado pelas instituições (igrejas) religiosas ou pelos seus pastores. O altruísmo responsável que Jesus pregava, em que criador e criado são um, esteve implícita nos seus ensinamentos – “Eu e o pai somos um”,” Vós também sois deuses”- disse Jesus.

O conceito de separação com “o Todo” ou Deus, como cada um o concebe e entende, é a causa de insegurança geradora de ansiedade e angústia. Nunca a humanidade teve tanto e nunca foi tão infeliz… e isso deve-se intrinsecamente ao conceito de separação ainda alimentado por uma política de competitividade. Apesar de podermos nomear infinitas causas para a angústia ou ansiedade mórbida, todas elas terão um fator comum: a separação do homem do todo, de Deus e do universo. Sem isso não existiria luta pela sobrevivência, sentimento de inutilidade e de não pertença.

O que importa é como sair da angustia, não é explicar como ou porque que ela existe.

Como fazer?

Em primeiro lugar aceita a angústia, não lutes, não rejeites. Assume a responsabilidade do momento aceitando e entregando. Não deixes que a mente vaguei no passado nem no futuro, vem para o momento presente. Sem luta, sem resistência. Sente a angústia a desvanecer.

Se não conseguires sozinho pede ajuda.

Hoje recebi um email de alguém que dizia: “ a minha angústia já tem muitos anos, não pode passar de um dia para o outro”. “Fiz muita coisa errada na vida, estou a sofrer o castigo”.

Esta senhora está convicta da separação do todo e gera a sua própria angústia. Para não voltar a citar Jesus vou responder com os princípios da física moderna. Tudo no universo é feito de átomo. Tudo é átomo, tudo é feito da mesma matéria inteligente. Desde um pensamento com o poderoso poder criador até a um grão de areia. Como podemos verificar não existe separação. Deixemos agora a energia da qual tudo é feito e de tudo ser um e voltemos ao que cria ansiedade e angustia nesta senhora.

A senhora diz “fiz muita coisa errada” será que fez com a intenção de se prejudicar? Se não fez com a intenção de se prejudicar, não tem de se culpar. Se fez com a intenção de prejudicar os outros, só demostra quanto o conceito de separação é tão destrutivo e também não tem que se culpar. Recebeu imediatamente a reação na sua própria vida da ação.

Para refletir:

Se esta senhora não vivesse na ilusão da separação jamais poderia considerar-se vítima seja do que for, e, por conseguinte, querer alternar desempenhando o papel de agressor. Quando expandimos a consciência e saímos da pequenez da separação, entra-se num mundo onde não existe vítima nem agressor e por conseguinte não existe ansiedade, medo ou angústia.

Não importa o lugar onde te encontras. Há sempre uma solução perfeita e criativa e todo o mal se transforma em iluminação.

Se já estás cansado do sofrimento, criado pela separação do todo, não hesites e pede ajuda. Expõe o teu sofrimento. “Tudo que é posto à luz, se torna luz” disse o sábio Paulo.

antonio@solucaoperfeita.com

António Fernandes

Quer viver ou quer que a vida seja do seu jeito?

Quer viver ou quer que a vida seja do seu jeito?

viver

Recebo diariamente dezenas de emails de homens e mulheres das mais variadas condições e estratos sociais: Como me libertar de determinada droga dura? Apesar de 99 % dos pedidos de ajuda referirem-se a drogas legais receitadas por agentes autorizados da industria química, a questão é igual para todos. Quer viver ou quer que a vida seja do seu jeito? Se com esta questão o usuário da droga desperta para a realidade e escolhe viver, deixou de precisar de droga.

As drogas legais ou ilícitas são alteradoras de humor, usadas para não se viver a vida tal como ela se nos apresenta (em casos súbitos de extrema violência causadores de descontrolo, as drogas legais são extremamente úteis); ou melhor, foram criadas exatamente para esse fim.

Perante esta realidade, surge uma questão que necessita urgente resposta. Porque é que (segundo a OMS) 1/3 da população da sociedade moderna é usuário de ansiolíticos e antidepressivos?  Porque 33% de nós prefere drogar-se do que viver a vida em pleno?   As causas estarão em cada um de nós, não é culpa do sistema político, da droga, ou da industria da doença. Nem tão pouco motivado pelo caduco sistema de ensino (educação) ou da degradação do capitalismo e da democracia, a precisarem de urgente reciclagem. A chegada a este caos existencial, em que 1/3 do corpo da humanidade reside ao lado da vida usando alteradores de humor, dá que pensar.

E não queiramos tapar o sol com a peneira, justificando ou responsabilizando outros. A responsabilidade é de cada um de nós…, a matéria com a humanidade é feita. Quem usa a drogas para não sentir (vida), e se encontra dependente é o menos responsável pela falta de capacidade imposta pela droga. E é preciso ter-se consciência que por não usarmos drogas dura legais ou ilícitas, não significa que estejamos mais lúcidos.  Há mais formas de nos alienarmos e deixarmos que a vida nos passe ao lado. Mas hoje a mensagem destina-se a alertar todos que estão a passar por contrariedades que abram a mente e que decidam se querem viver ou que a vida seja do seu jeito.

Viver ou querer que a vida seja a seu jeito?

Viver é entrar no fluxo. É acordar a cada dia e, na expectativa, perguntar: o que é que a vida terá para me oferecer de bom hoje? Esta foi a postura que adotei quando conheci as experiências dolorosas do inferno existencial. O resultado foi maravilhoso, primeiro fui resgatado do inferno e de seguida conheci e instalei-me no fluxo da vida maravilhosa. Aproveitando sempre o melhor que sei cada dia totalmente novo que me é apresentado todas as manhãs. Há quem pense que é magia, outros que sou um sortudo, outros pensam que este mundo não existe. Havia outros, que infelizmente já cá não estão, que no princípio diziam: “isso é uma nuvem cor de rosa que ao fim de algum tempo acaba. E depois a frustração é bem pior”. Quando ouvia esses comentários, eu pensava até pode ser verdade, mas ninguém me vai impedir de viver esta experiência paradisíaca. O tempo foi passando e um dia tinha percebido que 10% da minha vida já tinha sido passada no paraíso. Os dias, um de cada vez foram acontecendo e dei com ¼ da minha vida neste estado de felicidade paz e amor agora prestes completar 1/3 da minha existência, tenho pena que já não estejam presentes nesta dimensão quem dizia que este bem-estar iria acabar. Mas quero concluir somente com este pensamento. Mesmo que o bem-estar como eu o sinto acabe neste momento, eu pude experimentar o verdadeiro inferno e o verdadeiro paraíso na minha existência. E doutra forma somente teria experimentado o inferno.

A pergunta é simples e clara; quer viver ou quer que a vida seja do seu jeito?

Com amor até já…, aguardo que participes com questões e comentário e experiências na palestra online dia 8 de novembro de 2017

Sabe mais detalhes sobre a palestra clicando aqui: http://ativistadanovaera.ning.com/events/palestra-online-como-acertar-o-passo-e-entrar-na-danca-da-vida

António Fernandes

Holler Box

Pin It on Pinterest