Fibromialgia tem recuperação

Fibromialgia

Apesar de saber que este título desperta a resistência das mentes mais ego escleróticas e de muitas pessoas de boa vontade, seria nocivo manter oculta esta informação, que a fibromialgia tem recuperação. Que me perdoem aqueles que pensam o contrário por desconhecimento.

Ao longo dos últimos anos as associações de doentes têm tido um papel fundamental na divulgação da doença, tanto pela sociedade através dos média, como pela classe médica, que começa a ver um nicho com potencial onde pode investir os seus recursos. Mesmo não tendo nada contra estas ações é preciso informar que nos últimos anos os casos quase duplicaram.

É urgente uma solução para o fibromialgico.

Ninguém nasceu para viver envolto em sofrimento.

A fibromialgia é um estado de grande sofrimento caracterizado por dores neuromusculares dispersas.  O diagnóstico é difícil pelas variantes e características específicas.  Apesar de a OMS a ter considerada nos anos 70 do século passado, uma doença crónica (sem cura), ainda não pode ser diagnosticada por exames laboratoriais. O diagnóstico depende das queixas apresentadas aos médicos e terapeutas.

Para se poder avaliar o sofrimento do fibromiálgico, vamos dar uma olhada no critério da Sociedade Americana de Reumatologia. Para ser considerado fibromialgia é condição, “dor crónica generalizada, com evolução de, pelo menos, 3 meses, abrangendo a parte superior e inferior do corpo, lado direito e esquerdo, assim como o esquerdo axial”. O diagnóstico é “Dor à pressão, em, pelo menos, 11 de 18 pontos predefinidos”

A fibromialgia tem recuperação?

Todas as doenças têm recuperação, o que não é o mesmo que dizer que tem cura.  Quando se fala em fibromialgia, fala-se em dores musculares que se estendem aos ligamentos e tendões. Esta doença afeta principalmente as mulheres. Começa por alterações do sono, rigidez matinal, fadiga e uma dor que se espalha pelo corpo a partir de onze a dezoito pontos dolorosos. Apesar de a fibromialgia ser considerada uma doença crónica progressiva e alguns a quererem juntar ao rol das doenças autoimunes, na verdade, não se vislumbra um consenso em relação a doença.

Nada é o que parece, é preciso ser-se responsável e honesto, deixar de diagnosticar pelos sintomas e ir à raiz do problema, se queremos verdadeiramente ajudar quem sofre e ser-se útil. Apesar de ter sido contestado publicamente por colegas e amigos, quando há mais de 15 anos difundi a recuperação do fibromiálgico, hoje não somente reforço essa certeza como dou cursos de recuperação de doenças graves onde esta doença é incluída.

Na verdade, a fibromialgia não foge às leis da física. Para cada efeito existe uma causa. A dor é o efeito, é preciso procurar a causa.

Hoje está muito em voga catalogarem-se causas emocionais para cada doença. Apesar de existir sempre uma causa para cada efeito todos sabemos que precisamos recuperar doentes e não tratar doenças.

Apesar de alguns padrões mais comuns do fibromiálgico como a atitude de vítima e a baixo autoestima que remete para um plano secundário, como por exemplo ser negligente com as próprias necessidades para atender às solicitações de terceiros. Não se pode generalizar porque não existem duas pessoas iguais. Se vives este terrível mal-estar e se procuras uma solução, não procures mais fora de ti, a solução está no problema. Tu és o problema, a solução está em ti.

Um fibromialgico não se trata, mas recupera-se.

Como funciona a recuperação de um fibromiálgico?  

Cada caso é único, não há duas pessoas iguais. Apesar de vivermos num mundo de pronto a vestir unissexo, isso não funciona quando se trata da vida e bem-estar do ser humano. O conceito de normal, é um conceito devastador quando aplicado ao ser humano.

Cada fibromiálgico é único. O programa de recuperação é um programa de vida, em que o protagonista principal é o próprio candidato a vida de qualidade.  Será sempre produzido a dimensão do interessado, respeitando os seus limites, ritmo e desejos.

O que precisa fazer o fibromiálgico que quer uma nova vida?

Primeiro passo é o mais importante como em tudo sem exceção, nunca pode haver um segundo passo sem o primeiro.  Antes de se poder elaborar um programa de recuperação é preciso que o fibromiálgico esteja disposto a libertar-se do que lhe causa a doença. Por incrível que pareça, e possa inclusivamente parecer incoerente, o fibromiálgico resiste ao sair da zona de “conforto”muitos já mergulharam tanto na fadiga e dor que já não são capazes de imaginar uma vida de energia alegre e feliz.  Nesse caso, enquanto tiver capacidade de aguentar a dor, vai adiando a toma de decisão. Quer perder o sofrimento, mas não quer mudar. Se não mudar, não perde o sofrimento. É um pouco a pescadinha de rabo na boca.

No primeiro passo, o fibromialgico admite que perdeu o controle sobre a doença e a sua vida perdeu o sentido. Somente após esta admissão é possível ajudar o fibromialgico com uma primeira entrevista onde é definida a sua situação de momento e quais objetivos quer alcançar. Com esse recurso o mestre em Saúde Integral elabora um programa que coloca a apreciação do candidato a uma vida de qualidade. Depois de discutidos e esclarecidos os direitos e deveres e todos os pormenores do caminho a percorrer, estão criadas todas as condições para o sucesso do programa.

Como é que o programa de recuperação funciona?

O programa é dividido em duas fases: desintoxicação e recuperação. Pode ser feito on line (económico, acessível a qualquer um,  embora neste momento ainda sejam poucos os mestres em recuperação a nível mundial de língua portuguesa), ou em consultório ou também em regime de internato, já muito menos acessível a quem não tem uma boa disponibilidade financeira.

Em qualquer dos casos o bem-estar permanente deve ocorrer entre a quarta e a sexta semana.

O fibromiálgico fica a depender de algum suplemento ou medicação?

Não! A única coisa que permanecerá é o sal da vida, mas isso é para todos em geral. Uma vida sem tempero não é vida.

Como a fibromialgia é uma doença psicossomática segundo a OMS (pessoalmente não gosto do termo), na fase de desintoxicação de crenças e preconceitos doentios que levam ao vitimismo, são necessários suplementos naturais que proporcionem bem-estar emocional, mas que normalmente não se mantêm muito além do primeiro mês. Em qualquer caso o programa de recuperação tem garantido o sucesso e esses suplementos já fazem parte do programa.

Conclusões

O corpo humano é um universo de inteligência regido por sentimentos e emoções do ser que nele habita. As suas manifestações são alertas que indicam uma conduta contrária ao verdadeiro interesse do ser. Um programa de recuperação liberta o indivíduo do círculo vicioso em que se encontra e alinha-o com a sua própria razão de existir.

A razão pela qual o programa de recuperação é tão eficaz, deve-se ao facto de quando o fibromiálgico pede ajuda, dando o primeiro passo, ele estar preparado para o sucesso e pronto para iniciar uma nova trajetória.

Muito há a dizer, mas o artigo já vai longo, qualquer dúvida não hesite. Este artigo teve somente a intenção de informar. Não pretendemos entrar em controvérsias, respeitamos as crenças de cada um.

António Fernandes

Holler Box

Pin It on Pinterest